/> Tenente-Coronel Zucco escancara ‘ditadura da toga’ de Alexandre de Moraes e plano do establishment para destruir Bolsonaro: ‘batalha imoral, enlouquecida e sem qualquer escrúpulo’; VÍDEO! - Folha da Política

Breaking news

Tenente-Coronel Zucco escancara ‘ditadura da toga’ de Alexandre de Moraes e plano do establishment para destruir Bolsonaro: ‘batalha imoral, enlouquecida e sem qualquer escrúpulo’; VÍDEO!


 Em seu último discurso na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, o deputado estadual tenente-coronel Zucco, eleito deputado federal, fez um duro retrato da atual situação do país. Escolhendo o tema “democracia e liberdade”, o deputado afirmou: “Não existe democracia sem liberdade. Democracia é o oposto da ditadura, da tirania. Sua essência é liberdade. De forma simplificada, busca assegurar dois princípios: máxima liberdade ao povo e limitar o poder concedido aos governantes, justamente para impedir que o povo seja oprimido por um tirano. A democracia é o governo do povo, pelo povo, para o povo, como fala Abraham Lincoln. Portanto, deve ser livre para buscar sua felicidade em um Estado que garanta a liberdade”.

Zucco explicou que tanto a liberdade quanto a democracia estão sob ataque no Brasil, com a conivência da classe política, e apontou: “em parte, Bolsonaro deve ser a explicação. Desde antes de sua eleição, ele é apresentado como um monstro autoritário. A grande ameaça a ser combatida. Aquele que iria perseguir classes, cores e opções, mas que nunca perseguiu. Era e continua a ser a desculpa perfeita para que o sistema que ele derrotou voltasse ao poder, voltasse a mamar as verbas públicas. Era necessário demonizar o presidente e fazer com que as pessoas o odiassem, mas o apoio popular permaneceu. Os veículos de comunicação o atacaram diariamente, escolhendo sempre as piores frases, as piores imagens, escondendo qualquer conquista de seu governo, sonegando o reconhecimento de qualquer virtude”.

O deputado explicou que, mesmo contra a velha imprensa, Bolsonaro manteve sua popularidade e viu crescer sua influência, através das redes sociais, o que causou uma reação ainda mais intensa. Ele disse: “A velha política sofria, o chamado ‘sistema’ estava encurralado. Não estava tendo sucesso na prática de ass*** de reputação em que havia se especializado. Não bastava atacar a imagem do Bolsonaro, precisava anular seus canais de comunicação, inviabilizar seus apoiadores e ridicularizar seus seguidores. O objetivo era o cancelamento do presidente. Era torná-lo um chefe de Estado sem lugar de fala em seu próprio país. Esta batalha imoral, enlouquecida e sem qualquer escrúpulo transbordou num vale-tudo que se provou terrível para nossa frágil democracia”.

Zucco listou as vítimas da consolidação da cultura do “ódio do bem”: a credibilidade da imprensa e do judiciário; a busca pela verdade, a sensatez, a racionalidade, a razoabilidade; a defesa da nossa Constituição; o estado de direito; o sistema acusatório e o devido processo legal; e a liberdade política da população.

O deputado afirmou: “Em uma democracia, ninguém está acima da lei. E a Constituição é a lei máxima, que a todos limita. Mas o que temos visto, diariamente, é o seu desrespeito. A Constituição Federal tem sido ignorada como se nem existisse. O art. 5º da Constituição delimita as liberdades individuais e políticas dos cidadãos brasileiros. Esse artigo é a alma da vida em um país democrático, mas tem sido sistematicamente desprezado e a perseguição política e censura viraram lugar comum”. 

FONTE:FOLHAPOLITICA.ORG

Nenhum comentário