Breaking news

URGENTE: General Paulo Sérgio manda duro recado a Fachin: "Não nos interessa concluir eleição sob desconfiança"



Na tarde desta sexta-feira, 10, o ministro da Defesa, General Paulo Sergio Nogueira, encaminhou um documento onde, em duras palavras, manifesta e cobra o atendimento das propostas feitas pelas Forças Armadas ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No documento, ele afirmou que “as Forças Armadas não se sentem devidamente prestigiadas por atenderem ao honroso convite” feito pela Corte para integrarem o processo eleitoral.

O ofício foi endereçado diretamente ao presidente do TSE, ministro Edson Fachin.

O general cita as propostas militares de aperfeiçoamento do sistema eleitoral.

Sem meias palavras, o General afirma:

“Eleições transparentes são questões de soberania nacional. [...] Não nos interessa concluir a eleição sob a sombra da desconfiança”.


O documento ainda diz mais:

“Destaca-se que, por se tratar de uma eleição eletrônica, os meios de fiscalização devem se atualizar continuamente, exigindo pessoal especializado em segurança cibernética e de dados.

Não basta, portanto, a participação de 'observadores visuais', nacionais e estrangeiros, do processo eleitoral.”

LEIA TAMBÉM:

Manifestação foi enviada à Corte pelo ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira

As Forças Armadas foram chamadas no ano passado para integrarem a Comissão de Transparência das Eleições (CTE). O convite partiu do então presidente do TSE na época, ministro Luís Roberto Barroso. Após o ato, os militares enviaram sugestões à Corte para o pleito.

No ofício enviado à Corte, o ministro da Defesa explicou que “o que se busca com as propostas das Forças Armadas é aperfeiçoar a segurança e a transparência do processo eleitoral, mitigando ao máximo as possibilidades de ataques cibernéticos, falhas e fraudes, que podem comprometer as eleições”.

Ele também apontou que “divergências que ainda persistam podem ser dirimidas com a pretendida discussão entre as equipes técnicas” e que “sugestões propostas pelas Forças Armadas precisam ser debatidas pelos técnicos”.

O texto conclui dizendo que “a todos nós não interessa concluir o pleito eleitoral sob a sombra da desconfiança dos eleitores. Eleições transparentes são questões de soberania nacional e de respeito aos eleitores”.

O documento enviado ao TSE pode ser avisto aqui.

Um comentário:

  1. Meta essa cambada de Sinistros na cadeia. É o q merecem. Temos eleições limpas ou guerra civil. O povo de bem está pronto pra lutar pelo futuro de um país livre sem corrupção. Bolsonaro estamos juntos!!!

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();