Breaking news

Em primeiro discurso, presidente esquerdista da Colômbia manda soltar presos; VEJA VÍDEO



Vencedor das eleições no domingo, 19, candidato de esquerda pediu que o procurador-geral do país liberte jovens

Vencedor das eleições presidenciais na Colômbia no último domingo, 19, Gustavo Petro se dirigiu à população para falar sobre os planos para o país nos próximos anos. Uma das intenções iniciais do candidato de esquerda é soltar presos, tirando da cadeia principalmente os jovens.

O futuro presidente colombiano se dirigiu diretamente ao procurador-geral do país para adiantar o pedido de soltar presos, sem entrar em detalhes sobre critérios. O discurso foi saudado por seus simpatizantes com gritos de “liberdade, liberdade”.

“Quantas pessoas estão na prisão hoje neste momento, quantos jovens acorrentados, algemados, tratados como bandidos, simplesmente por terem esperança, simplesmente porque tinham amor”, declarou Gustavo Petro, em menção a presos políticos.

“Peço ao procurador-geral da nação que liberte o nosso povo. Liberte os jovens.”

Na Colômbia, estima-se mais de 1.200 de pessoas detidas por se manifestarem durante os protestos que exigiam o fim da reforma tributária do atual presidente Iván Duque.

No discurso de domingo, Petro ainda prometeu que vai fazer um “governo de esperança”, com a missão de pacificar a Colômbia. O presidente eleito disse que suas três prioridades no cargo vão ser, nesta ordem, a paz, a justiça social e a justiça ambiental.

LEIA TAMBÉM:

Vitória do ex-guerrilheiro

O ex-guerrilheiro Gustavo Petro foi eleito o novo presidente da Colômbia no último domingo. É a primeira vez na História que um candidato de esquerda vence a principal disputa eleitoral do país.

Petro teve pouco mais de 50% dos votos, escolhido por cerca de 11,3 milhões de colombianos. Rodolfo Hernández, seu concorrente, contou com aproximadamente 10,5 milhões de eleitores.

Petro é ex-guerrilheiro do grupo Movimento 19 de abril (M-19), facção conhecida por atos violentos principalmente na década de 80. Depois de abandonar a lutar armada, o futuro presidente colombiano foi duas vezes senador e uma vez prefeito da capital Bogotá.

O candidato vencedor foi preso em 1985 por posse ilegal de armas. Petro diz ter sido torturado pelo exército e depois cumpriu pena de 18 meses. Na cadeia, não participou de um dos ataques mais marcantes da história do M-19. Nos dias 6 e 7 de novembro de 1985, a facção invadiu o Palácio da Justiça e fez mais de 300 pessoas reféns. A tomada durou 28 horas e deixou mais de 100 mortos, entre eles o presidente da Suprema Corte, Alfonso Reyes Echandía.

2 comentários:

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();