Novas variantes do coronavírus estão a caminho, indica estudo


Pesquisa brasileira aponta alta probabilidade de surgirem cepas mais perigosas do SARS-CoV-2 nos próximos meses

Estudo brasileiro publicado na revista Viruses sugere que variantes do SARS-CoV-2 com ainda mais potencial de driblar as defesas imunes da população devem surgir nos próximos meses.

O artigo é assinado por pesquisadores do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) e do Instituto de Química (IQ) da Universidade de São Paulo (USP), além de cientistas do Hospital Sírio-Libanês. O grupo revisou mais de 150 artigos sobre o novo coronavírus e analisou diversos aspectos do patógeno, como seu potencial de mutação, a capacidade de evasão do sistema imune, a transmissibilidade e a eficácia das vacinas.

“A principal conclusão a que chegamos é que não devemos deixar o vírus circular, pois não sabemos como serão as variantes nos próximos meses”, afirma Cristiane Guzzo, professora do ICB-USP e autora principal do artigo.

Segundo ela, é um erro acreditar que a pandemia está sob controle e que não se trata mais de uma emergência sanitária, como anunciou o Ministério da Saúde no dia 18 de abril.

“Estamos em uma situação confortável para os próximos meses, quando a imunidade induzida pelas doses de reforço das vacinas e pela grande disseminação da variante ômicron ainda estará alta. Mas, depois, a tendência é que as pessoas comecem a se infectar novamente e ficaremos sujeitos ao surgimento de variantes ainda mais contagiosas e fortes do que as já conhecidas, o que diminui a eficácia das vacinas. Como não temos meios de prever a evolução da pandemia e o comportamento das novas variantes, todo o cuidado ainda é necessário para evitar a circulação do vírus”, destaca sobre a pesquisa, que teve apoio da FAPESP.

LEIA TAMBÉM:

Altamente mutável

No estudo, foi observado que o coronavírus é ainda mais mutável do que se imaginava. Isso porque a proteína spike, presente na superfície viral e responsável pela infecção de células humanas, segue evoluindo.

“Identificamos que 9,5% das mutações produzidas pelas variantes estão localizadas na região N Terminal [NTD] da proteína. Isso mostra que essas mutações não estão diretamente associadas à interação com o receptor humano ACE2, mas afetam principalmente a capacidade dos anticorpos reconhecerem o vírus”, explica Guzzo.

Os pesquisadores também constataram um número expressivo de mutações (7,7%) na região RDB da spike, onde ocorre interação com o receptor ACE2. Isso faz com que o contato entre o vírus e a célula humana seja maior e as contaminações aumentem.

“A maioria das vacinas busca estimular a produção de anticorpos que inibam a interação entre a proteína spike e o receptor ACE2, de forma a diminuir a infecção viral. Uma das formas pelas quais o patógeno consegue burlar essa inibição é modificando a região de interação com a célula humana”, diz a professora do ICB-USP.

Foram identificados na pesquisa seis mecanismos que aumentaram a eficiência de transmissão do SARS-CoV-2. Um deles é o aumento da afinidade entre a proteína spike e o receptor ACE2. Outro é o aumento significativo da quantidade de spike na superfície de cada partícula viral.

No artigo, os pesquisadores destacam que outras proteínas do vírus também estão se modificando. Isso ocasiona, por exemplo, o aumento da taxa com que o patógeno consegue se multiplicar nas células humanas. “Por esses e outros fatores, o vírus vai aprendendo a driblar a ação dos anticorpos e vai se adaptando ao ser humano”, acrescenta Guzzo.

Aumento de transmissão

Ainda segundo o artigo, o período em que as pessoas começam a transmitir a COVID-19 tem se iniciado cada vez mais cedo, conforme novas variantes do SARS-CoV-2 surgem.

“Vimos que 74% das transmissões pela delta foram feitas por assintomáticos. As pessoas infectadas pela cepa original começavam a transmitir o vírus um dia antes do início dos sintomas. Já no caso da delta isso passou a acontecer com dois dias de antecedência. São detalhes que mostram que o vírus está ampliando sua capacidade de se esconder em nosso organismo. O que também pode estar relacionado com o aumento da gravidade dos casos e da taxa de transmissão”, avalia a pesquisadora.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();