MITO: Bolsonaro tem mais seguidores nas redes que todos os candidatos a presidente juntos


Presidente é seguido por 41,9 milhões de perfis em suas redes. Lula, Moro, Ciro, Doria e Leite têm, juntos, 26,1 milhões de seguidores

Sem uma coligação forte, com pouco tempo de TV e verbas parcas para fazer campanha, a chapa do então candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro apostou fortemente em uma estratégia de comunicação pelas redes sociais na eleição de 2018. Embalado pela força na internet, conseguiu superar adversários mais bem posicionados em termos de estrutura e financiamento. Às vésperas de um novo pleito, o atual titular do Palácio do Planalto segue trabalhando para ampliar sua presença virtual e mantém vantagem nesse campo sobre os principais potenciais concorrentes.

A equipe de comunicação do chefe do Executivo federal faz postagens frequentes, cultiva perfis em mais plataformas do que outros presidenciáveis, investe em posts diferentes aproveitando as características de cada uma e cria tradições, como a live semanal das quintas-feiras, que já faz parte da agenda política brasileira. Como resultado, o mandatário do país ostenta mais seguidores do que a soma dos apoiadores dos seus cinco potenciais rivais mais bem posicionados nas pesquisas.

Bolsonaro acumula 41,9 milhões de perfis de seguidores contra 26,1 milhões de apoiadores de Lula (PT); Sergio Moro (Podemos); João Doria (PSDB); Ciro Gomes (PDT); e Eduardo Leite (PSDB) juntos. 

LEIA TAMBÉM:


Veja uma comparação de todos eles com dados colhidos na última segunda-feira (1º/11) pela reportagem do Metrópoles:



Diversificação

Cultivando sua estratégia digital com vistas à eleição presidencial desde meados de 2014, Bolsonaro chegou a abril de 2018, na largada da campanha, bem à frente de todos os adversários, mas com um número bem menor do que o atual: eram 7,8 milhões de seguidores no Facebook, Instagram e Twitter. Na época, Marina Silva (Rede) ocupava a vice-liderança do ranking, com 4,2 milhões de seguidores; e o ex-presidente Lula (PT) estava na terceira posição, com o apoio de 3,6 milhões de internautas em suas redes.

Quatro anos depois, além de ter turbinado suas plataformas mais antigas, o mandatário da República apostou fortemente em novas opções, nas quais os adversários estão ausentes ou têm poucos seguidores, como canais no Telegram e perfis em redes obscuras – pelo menos no Brasil –, como Parler e Gettr.

Mesmo desconfiando da atuação da China na geopolítica mundial e com seu filho Eduardo já tendo defendido o banimento da rede no Brasil, o titular do Planalto abriu perfil oficial no Tiktok, a plataforma que mais cresce no mundo. Fora o presidente, apenas Ciro Gomes e Eduardo Leite mantêm perfis no aplicativo favorito dos internautas mais jovens. Na contramão, o ex-ministro da Justiça do próprio Bolsonaro Sergio Moro abre mão até do Facebook – ele tem perfis oficiais somente em duas redes até agora: Instagram e Twitter.

Fonte: METROPOLES.COM.BR


2 comentários:

  1. Juntos com o Mito 2022 primeiro turno. Brasil é governado as CLARAS E PELO POVO CARENTE!

    ResponderExcluir
  2. Qual o significado disso?Isto não é 20% de eleitores,pois há repetição de seguidores nos diversos perfis.Isto não revela a eficiência e eficácia do governo.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();