Policiais se confundem e dão voz de prisão a juiz que expediu mandado no Paraná



Policiais deram voz de prisão ao magistrado, constataram o erro e pediram desculpas

Um caso curioso ocorreu em Curitiba (PR) na semana passada. Policiais foram cumprir um mandado na residência de um homem e, após darem voz de prisão, descobriram que se tratava do próprio juiz que assinou o documento. A informação foi dada pelo jornal O Globo.

O episódio aconteceu na quinta-feira passada (26) com o juiz Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior, da 1ª Vara de Execuções Penais de Curitiba. Ele estava em sua residência quando foi surpreendido por dois policiais à paisana, que pediram que ele abrisse a porta e lhe deram voz de prisão.

Na sequência, o juiz pediu para ver o mandado, mas, como os agentes não estavam com o documento impresso, mostraram um print do sistema eletrônico do Banco Nacional de Monitoramento de Prisões (BNMP). Foi quando o magistrado viu que seu nome aparecia como o “juiz expedidor”.

De acordo com o veículo, Eduardo Lino Bueno Fagundes Júnior expediu o mandado para retificar um erro no sistema e liberar um detento que já havia cumprido os requisitos para o livramento condicional.

Após constatarem o erro, os agentes pediram desculpa ao juiz e afirmaram que a informação havia sido passada pelo setor de Inteligência.

LEIA TAMBÉM: 

Um comentário:

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();