Ministro do TSE indicado por Lula, decide investigar apenas os atos de 7 de setembro a favor de Bolsonaro



Luís Felipe Salomão também quer apurar se houve campanha eleitoral antecipada

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu investigar se os atos do feriado de 7 de setembro foram financiados por empresários ou políticos. A decisão partiu do corregedor-geral da Justiça Eleitoral, Luís Felipe Salomão, que também pretende investigar se os atos configuraram propaganda eleitoral antecipada de Jair Bolsonaro.

Salomão quer apurar se houve pagamento de transporte e diárias para manifestantes. De acordo com um vídeo que circula pelas redes sociais, uma empresa de São Paulo teria pagado “camisa, transporte e R$ 100” para pessoas irem ao protesto.

O corregedor-geral incluiu a investigação em um inquérito que já corre no TSE em relação aos questionamentos do presidente Bolsonaro sobre a confiabilidade das urnas eletrônicas. Essa é a primeira consequência judicial dos atos no inquérito.

No mesmo dia dos atos em apoio ao governo Bolsonaro, manifestantes da esquerda reuniram-se no Anhangabaú, no Centro da capital paulista, para protestar contra o governo, sob o tema “Vida em Primeiro Lugar”.

LEIA TAMBÉM:


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();