Oposição tentará impedir que Bolsonaro aumente o bolsa-família para R$400


A oposição se articula para tentar impedir o aumento do valor médio do Auxílio Brasil, nova denominação do Bolsa Família, que passará dos atuais R$196 para no mínimo R$300. Ninguém assume publicamente a articulação, por ser antipática aos eleitores, mas é forte o temor de opositores de que o aumento do benefício, que pode até mais que dobrar, para R$400, pode tornar viável a reeleição do presidente Jair Bolsonaro, em 2022. A “ordem” é impedir o aumento a qualquer custo.

Parceria privada

Para não ficar mal, a oposição pretende acionar parceiros do “mercado” contra “irresponsabilidade fiscal” ou o risco de “furar o teto de gastos”.

Parceria pública

Se perder a votação no Congresso, como é provável, a oposição conta com a “simpatia” do Supremo Tribunal Federal (STF) à sua causa.


Preocupação forte

O aumento foi tema de conversa, por exemplo, do presidente do PDT com o ex-senador Roberto Requião, ao convidá-lo a se filiar ao partido.


Esvaziamento

Políticos do PDT dizem que Carlos Lupi, chefe do PDT, vê iminente o esvaziamento abrupto da pré-candidatura de Ciro Gomes a presidente.

LEIA TAMBÉM: 




Um comentário:

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();