Menor bebê do mundo deixa hospital após mais de um ano


No quadro Correspondente Médico, dr. Fernando Gomes falou sobre caso de menina que nasceu com 212 gramas, em Singapura

Na edição desta segunda-feira (16) do quadro Correspondente Médico, do Novo Dia, o neurocirurgião Fernando Gomes falou sobre o caso da menina considerada a menor bebê do mundo, que deixou o hospital mais de um ano depois do nascimento.

Kwek Yu Xuan nasceu prematura, em junho do ano passado, em Singapura. O parto foi uma cesariana de emergência e a gestação ainda não tinha completado seis meses. A menina nasceu com 212 gramas, o equivalente ao peso de uma maçã.

LEIA TAMBÉM: 

Agora, ela deixou o hospital com 6,3kg. Antes dela, havia registros de dois bebês um pouco maiores, com 230 e 245 gramas, na Alemanha e nos Estados Unidos.

Fernando Gomes disse que o caso da bebê pode ser considerado um milagre graças aos trabalhos de profissionais de UTI pediátricas e neonatologia. O nascimento prematuro, segundo o médico, desafia "o natural do biológico do corpo de qualquer pessoa."

"O bebê que nasce prematuro tem um desafio pela frente, pois o melhor lugar para ele se desenvolver é dentro do corpo da mãe, onde existem características de saúde e oportunidades para que tudo aconteça da forma mais saudável possível", explicou.

Um dos principais desafios, é a formação incompleta dos pulmões. "Eles desenvolvem um papel fundamental fazendo a hematose, que é a troca gasosa, princípio básico pelo qual o indivíduo consegue ficar liberto do cordão umbilical e da placenta e consegue respirar por si só, e, com isso, ter independência do corpo da mãe", disse Gomes.

Ainda segundo o médico, dificuldade para regular a temperatura corporal e ganho lento de peso são outros desafios que recém-nascidos prematuros precisam superar para deixar o hospital saudáveis.

Bebê Kwek Yu Xuan nasceu com 212 gramas, mas, após um ano internada, deixou o hospital com mais de 6kg


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();