Com aposentadoria equivalente a R$ 5, idosos mendigam nas ruas da Venezuela



Dezenas de idosos, tanto homens quanto mulheres, perambulam pela capital venezuelana vendendo balas, pedindo esmolas ou revirando lixo para conseguir comer. Com a aposentadoria mensal de 7 milhões de bolívares, pouco mais de US$ 1 ou R$ 5, eles representam o retrato mais gritante do empobrecimento da população na Venezuela. A situação da terceira idade no país bolivariano foi retratada em uma pesquisa feita pela ONG Convite.

Em frente a um restaurante em Caracas, uma idosa revira o lixo na esperança de conseguir “colocar algo no estômago”. Sem querer se identificar, ela explica que não consegue comprar sequer uma das refeições vendidas no estabelecimento por US$1,50. “Há meses busco assim algo para comer. Às vezes consigo boa comida. Em outras, ainda que esteja apodrecida, como por não ter outra opção”, contou ela à reportagem da RFI Brasil.

Até mesmo nas imediações da Assembleia Nacional, agora de maioria chavista, um considerável número de pessoas acima dos 60 anos tenta “rebuscarse”, palavra usada na Venezuela como sinônimo de “dar um jeitinho”. Os idosos vendem de balas a artigos usados, muitos deles conseguidos no lixo. Outros, sentados, pedem esmolas explicando que têm fome.

No metrô da capital venezuelana, pessoas de idade também circulam pelos vagões pedindo ajuda ou vendendo mercadorias baratas. É o caso de Manolo. Aos 75 anos, magro e com as roupas remendadas, ele vende balas “porque nós, velhos, já não podemos trabalhar em empresas. Temos que sustentar a família. Eu sei soldar, fazer mecânica, mas...”, conta ele insinuando que o peso da idade o distancia de melhores oportunidades.

Cada drops de caramelo vendido por Manolo custa 100 mil bolívares, valor inferior a uma passagem de ônibus, cujo preço varia entre 500 mil e 1 milhão de bolívares. O que consegue com a venda dos doces vai “para a comida”, explica. O idoso afirma sustentar 13 pessoas. A esposa, “doente de uma perna”, não consegue trabalhar.

A pesquisa divulgada pela ONG Convite destaca que 28% dos idosos entrevistados ainda trabalham. Um dado alarmante é que 80% dos entrevistados recebem entre US$ 1 e US$ 10 por mês, enquanto 40% informou ganhar entre US$ 1 e US$ 5 mensais. Um significativo número de entrevistados trabalha informalmente.

De acordo com o Observatório Venezuelano de Segurança Alimentar e Nutricional (OVSAN), mais de 50% dos moradores de Caracas apresentam “alto nível de angústia” por falta de alimentos em suas casas. Não há índices sobre o interior do país, onde a situação é ainda pior que na capital venezuelana.

Morador de uma região popular de Caracas, Manolo lembra que “antes havia estabilidade, havia tudo. Hoje em dia, não. É preciso ter três trabalhos. Faço soldas, vendo balas e recebo a aposentadoria, que não dá para comprar uma ‘harina pan’”, conta se referindo à farinha de milho usada no preparo da arepa, o tradicional pãozinho dos venezuelanos.

O alto preço dos alimentos levou 38% dos idosos entrevistados a reduzir a variedade de alimentos na maioria das refeições. Já 42% reduziram algumas vezes a quantidade servida de comida.

 LEIA TAMBÉM: 

Cesta básica de 162 salários

Consciente da situação de carência alimentar de muitos idosos no auge da pandemia de Covid-19, quando o comércio precisou fechar suas portas, um grupo de voluntários e de empresas doadoras organizaram o Plano Bom Vizinho. Eles distribuíam refeições a idosos cadastrados em um banco de dados. O voluntariado chegou a entregar em um só dia mil refeições em diversos bairros da capital venezuelana. No entanto, a iniciativa terminou em dezembro passado.

Para que uma família de quatro pessoas consiga cobrir as necessidades básicas são necessários 162 salários-mínimos, de acordo com a ONG Convite. Em julho deste ano, a inflação venezuelana chegou a 19%, pelos dados do Observatório Venezuelano de Finanças.

Luis Francisco Cabezas, diretor da ONG, explica que, “em 2016, a aposentadoria recebida pelos idosos venezuelanos cobria cerca de 90% da cesta alimentar. Hoje, o pagamento não cobre sequer 1% dessa mesma cesta básica. Essa é uma fotografia da dramática situação dos idosos”.

Saúde em jogo

Manolo gasta em remédios, para o tratamento da companheira, “cerca de 15 dólares. Se não consigo dinheiro para comprar, a ferida cresce mais”.

A crítica situação dos idosos na Venezuela também é perceptível na internet, onde muitas são as campanhas pedindo doações em dinheiro para tratamentos ou para operações de idosos.

Cerca de 92% das pessoas da terceira idade não têm plano de saúde na Venezuela, sendo que 71% delas precisam usar remédios constantemente. Para 48%, os medicamentos são comprados com dificuldade, aponta a pesquisa da Convite. Sem ter como comprar remédios, os venezuelanos recorrem a chás e remédios alternativos.

A vacinação dos idosos também se transformou em um problema. A Venezuela é um dos países que usou a vacina russa Sputnik V para combater a pandemia de Covid-19. O problema é que não há disponibilidade de vacina para a segunda dose, deixando os idosos bastante angustiados por não conseguirem a imunização completa.

Desde o início da campanha de imunização até hoje, dezenas de pessoas, muitas da terceira idade, se aglomeram todos os dias em frente aos centros de vacinação, expondo-se a um maior risco de contágio.

 LEIA TAMBÉM: 

Empobrecimento à vista

“Nos últimos cinco anos, a situação dos idosos na Venezuela passou de preocupante para dramática”, define Luis Francisco Cabezas, diretor da ONG Convite.

No próximo mês de outubro, o Banco Central Venezuelano cortará seis zeros do bolívar, que passará a ser chamado de bolívar digital.

Em vez de melhorar a situação, a medida deve agravar ainda mais a crise econômica, na opinião da economista e professora universitária Zugem Chamas. Por 36 horas de aula ministradas por mês na outrora renomada Universidade Central da Venezuela, ela recebe 9 milhões de bolívares (cerca de R$ 12). “Pensei que poderia ter certa tranquilidade na aposentadoria. Nunca pensei que ficaríamos assim. Agora vivo com a ajuda da minha filha”.

A pesquisa divulgada pela Convite aponta que 75% dos idosos recebem ajuda econômica de familiares.

Abandono de idosos

A imigração de mais de 5,5 milhões de venezuelanos impactou não apenas a pirâmide produtivo-social do país, mas deixou à mingua centenas de idosos, cujos filhos e netos precisaram deixar a Venezuela em busca de melhores oportunidades. “Isso dá uma ideia da grande fragilidade que este grupo sofre no país”, detalha Cabezas.

Alguns desses imigrantes enviam remessas em moeda estrangeira, mas a pandemia criou um "hiato", deixando alguns idosos sem esses recursos. “Muitos idosos dependiam das remessas enviadas por familiares, mas este envio perdeu força tanto na quantidade como na regularidade. Além disso, o que era comprado há três anos com US$100, hoje é muito mais caro”, detalha Cabezas.

E os sites, redes sociais, além de outros ambientes virtuais, que funcionam para muitos como uma "conexão com o mundo exterior", para muitos idosos venezuelanos, são um fator de isolamento. A maioria não sabe usar - ou nem mesmo comprar - aparelhos tecnológicos, sejam celulares, sejam computadores, nem sabem navegar na Internet.

FONTE: www.rfi.fr

Um comentário:

  1. E ainda tem uns jumentos retardados querendo que essa desgraça do comunismo seja implantado no Brasil. Raça imbecil a brasileira. Nojo disso!

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();