Bolsonaro defende que Brasil use sistema de votação do Paraguai



Presidente voltou a fazer acusações contra a segurança das urnas, depois de ter vazado um inquérito sobre ataque hacker

O presidente Jair Bolsonaro afirmou mais uma vez nesta quinta-feira (5) que as urnas eletrônicas não permitem a auditoria da votação e defendeu que o Brasil utilize o sistema do Paraguai, onde cada voto é também impresso e cai numa urna ao lado da eletrônica.

Em entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a fazer acusações sem provas contra a segurança das urnas, depois de ter vazado um inquérito da Polícia Federal sobre um ataque hacker no início de 2018 ao Tribunal Superior Eleitoral.

LEIA TAMBÉM: 


 

De acordo com o TSE, o ataque de fato chegou ao código fonte das urnas eletrônicas, mas não a ponto de fazer alterações que pudessem levar a fraudes, e medidas de segurança adicionais foram incorporadas antes das eleições.

Bolsonaro disse que deseja ver adotado no Brasil o sistema do Paraguai, onde, segundo ele, ao votar o eleitor vê ser impresso uma versão de seu voto, mas não pode pegá-lo. Se confirmar, o voto impresso é colocado automaticamente em uma urna lacrada, mas que pode ser aberta posteriormente para ter os votos contados.

Especialista alegam que essa urna com votos impressos é muito mais vulnerável a fraudes e que pode ser manipulada para alterar votos, não servindo para auditoria da urna eletrônica.

Por outro lado, o TSE já afirmou várias vezes que o voto na urna eletrônica é auditável, que o sistema é confiável e que a utilização do voto impresso implicaria em maiores riscos de fraudes e manipulação, incluindo a segurança no transporte das urnas com votos impressos.

Em entrevista a uma rádio do Rio de Janeiro, Bolsonaro voltou a dizer que seu interesse é apenas pela transparência das eleições e que o governo federal fornecerá os recursos necessários para que o TSE faça as modificações necessárias para o voto impresso.

Acusou, ainda, o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, de ter interesse em manter o atual sistema, insinuando um complô para impedir sua reeleição.

A aprovação na mudança do sistema de urna eletrônica, no entanto, não depende do TSE, mas do Congresso. A Comissão Especial que analisa a proposta tem reunião marcada para a tarde desta quinta-feira e a tendência, até agora, é que os governistas sejam derrotados, mas o texto pode ainda ser tirado de pauta.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();