A ruptura total será “Lula elegível e Bolsonaro inelegível pelo TSE mesmo sem o Presidente ter crimes”, afirma mestre em Direito (veja o vídeo)



Os adversários sabem que deixar Bolsonaro inelegível é a única forma de tirá-lo da reeleição em 2022.

O mestre em Direito Público, Renato Gomes, fez uma análise nesta terça-feira (3) sobre tudo que aconteceu até agora no panorama político para o “establishment “ retomar o poder.

O “mecanismo” continua com seus planos a todo vapor:

1°) Tiraram Lula da cadeia anulando prisão em segunda instância não transitada em julgado;

2°) Anularam as condenações de Lula tornando-o elegível;

3°) Fazem de tudo contra a transparência do sistema eleitoral;

4°) Os mesmos que soltaram Lula agora e foram contra o voto impresso com contagem pública ainda serão aqueles que contarão votos e julgarão quaisquer fraudes eleitorais; e

5°) Querem agora também deixar Bolsonaro inelegível.

LEIA TAMBÉM: 


 

Bolsonaro até agora aguentou muita coisa calado e parece que não vai tolerar a não aprovação do voto impresso auditável com contagem pública:

“Se não tiver voto impresso, não teremos eleições”.

Para Renato Gomes, Bolsonaro está próximo de uma reação mais enérgica e está devidamente autorizado a agir em nome do povo.

Veja o trecho da fala do Mestre Renato Gomes sobre o assunto:

4 comentários:

  1. Realmente é uma piada de mal gosto, nós, o povo brasileiro aceitarmos a inocência do maior ladrão do mundo (Lula), e deixarmos o presidente eleito por 60% dos brasileiros se tornar inelegível na próxima eleição. Só pode ser uma brincadeira de mal gosto! Não há outra explicação. Absurdo e inaceitável.

    ResponderExcluir
  2. O STF só esqueceu de combinar com o povo,os brasileiros não vão aceitar, vamos parar o Brasil e fazer uma manifestação como esse país nunca viu.

    ResponderExcluir
  3. Queremos voto impresso admirável urgente JÁ

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();