Sob regime comunista, Cuba enfrenta recorde de casos de Covid-19, escassez de luz e comida



“Isso é pela liberdade do povo”, alegam manifestantes.

Neste domingo, 11, conforme registrou o Conexão Política, milhares de cubanos foram às ruas para protestar contra o regime esquerdista, exigindo direito à liberdade e a renúncia do líder Miguel Diaz-Canel.

Informações primárias apontam que os protestos começaram no povoado de San Antonio de los Baños, um pequeno município rural da província de Artemisa, vizinha de Havana.

O ato ganhou força e se alastrou pela ilha caribenha, compondo um cenário que não se via em décadas.

A situação econômica do país já enfrentava níveis preocupantes, mas se agravou ainda mais após os primeiros registros de covid-19, acentuando a escassez de comida e itens de primeira necessidade. Diante de uma realidade dramática, o Conselho para a Transição Democrática denunciou que Cuba vive em uma ‘crise humanitária’ devido ao aumento das infecções. O grupo pediu ainda que as autoridades estabelecessem um corredor humanitário de ajuda.

LEIA TAMBÉM: Morre de covid-19 aos 44 anos, Médico ortopedista em Curitiba, médico já tinha se vacinado com 2 doses da CORONAVAC

Pai do prefeito Eduardo Paes morre aos 78 anos vítima de covid-19, Valmar Paes se vacinou em Março com 2° dose da CORONAVAC

CPI DA COVID: STF PROTEGE E FORMA MAIORIA PARA PROIBIR CONVOCAÇÃO DE GOVERNADORES

URGENTE: Relatório do CDC dos EUA admitem mais hospitalizações de jovens por causa da vacina com miocardite e pericardite do que do vírus COVID-19

No contexto recente, cidadãos cubanos estão sendo obrigados a formar filas para se abastecerem com alimentos, assim como também sofrem com a escassez de medicamentos e substâncias farmacêuticas. Há também relatos de racionamento de energia e cortes de internet em várias partes do país.

Em nota, o grupo afirma que “a abertura às doações que muitos cubanos enviaram ou desejam enviar a seus compatriotas e a solicitação de ajuda humanitária a organismos internacionais ou a países dispostos a estender a mão são os passos que um governo deveria estar disposto a dar” na condição atual.

O regime cubano, por sua vez, admite uma “complexa situação epidemiológica”, mas nega que esteja enfrentando um processo de “crise humanitária”, rejeitando o que chama de “campanhas de descrédito”.

Enquanto isso, a ditadura esquerdista utiliza forças policiais para atacar cidadãos, lançando gás de pimenta sobre eles, além de prender grupo de manifestantes.

O artista Luis Manuel Otero Alcántara, um crítico do regime, convocou um ato no ponto central Malecón, considerada a principal avenida à beira-mar de Havana. Imagens e vídeos que circulam nas redes sociais mostram milhares de pessoas na região.

Diversos protestos também estão sendo registrados na cidade de Santiago.

Veja abaixo alguns registros:

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();