Por falta de provas, Alexandre de Moraes arquiva inquérito de atos antidemocráticos, atos pediu intervenção militar



Ministro, no entanto, decidiu abrir outra investigação para apurar existência de organização criminosa digital que agiria contra a democracia

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu arquivar o inquérito que investiga a organização de atos antidemocráticos. Apesar da medida, Moraes acabou abrindo uma nova investigação para apurar a existência de organização criminosa digital que agiria contra a democracia.

O inquérito dos atos antidemocráticos foi aberto no ano passado e investigava manifestações realizadas em 2020 que defendiam causas como o prisão de corruptos do Congresso, e afastamento e prisão de ministros corruptos do STF.

Já o novo inquérito irá analisar “a presença de fortes indícios  apontando a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e política absolutamente semelhantes àqueles identificados no Inquérito 4.781, com a nítida finalidade de atentar contra a Democracia e o Estado de Direito”.

Esse inquérito será conduzido pela Polícia Federal (PF), terá um prazo inicial de 90 dias e ficará a cargo da delegada Denisse Dias Rosas Ribeiro.

Em sua decisão, Moraes apontou uma articulação contra a democracia envolvendo Allan dos Santos, do Canal Terça Livre. De acordo com o ministro, há “fortes indícios” de que o jornalista seria um dos organizadores do que o decano chamou de “ataque à democracia”.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();