Eleições: Hacker que invadiu TSE diz ser possível FRAUDAR e mudar resultado


Marcos Roberto, conhecido como Vandathegod, afirmou que invadiu site da Corte de forma simples

O hacker Marcos Roberto Correia da Silva, conhecido como Vandathegod, preso em março deste ano por participar do megavazamento de dados de 223 milhões de brasileiros, disse que é possível alterar os resultados da apuração das eleições. A declaração foi dada por ele em uma entrevista ao deputado Filipe Barros (PSL-PR).

Marcos, que foi um dos capturados na Operação Deepwater, da Polícia Federal, também invadiu o sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante as eleições de 2020, o que resultou em um atraso da contagem de votos. Questionado por Barros se seria possível violar o processo de apuração, ele respondeu positivamente.

LEIA TAMBÉM: Lula ataca militares e diz: "Militares conversa muita merda, devem trabalhar cuidando dos 25.000 km de fronteira e jamais se meter em política"

Comunismo, Venezuela: 96,2% da população vive na pobreza e 79,3% estão em situação extrema pobreza

Lula zomba e ataca Bolsonaro por rezar o Pai Nosso: “Não dá pra acreditar!”; Veja o vídeo!

Bolsonaro prevê fraudes nas eleições 2022 para presidente, senadores, governadores e deputados

Bolsonaro interrompe coletiva e reza Pai Nosso com jornalistas

– Conseguiria [invadir o sistema eleitoral]. A manipulação de votos na rede, na hora da votação ela é desligada, mas na hora de contar os votos ela é sim ligada e conectada à internet. E se ela estiver em algum lugar e alguém estiver nessa rede, ele consegue fazer a invasão, e aí consegue manipular a votação – disse.

Vandathegod atualmente está preso na Colônia Penal Professor Jacy de Assis, em Uberlândia, Minas Gerais, por ter vazado dados do Serasa e responde por ter invadido o TSE. De acordo com o hacker, a invasão do site da Corte Eleitoral foi fácil e foi possível através de códigos maliciosos.

Barros, que é o relator da PEC que tramita no Congresso para a criação do voto impresso auditável, também questionou o hacker a respeito da vulnerabilidade dos sistemas do TSE a ataques originados do exterior. Sobre isso, Vandathegod também respondeu positivamente.

– [O sistema do TSE é vulnerável a ataques de] Outros países, geralmente do Irã. Muitas pessoas que eu conheço de lá atacam aqui – destacou.

Marcos finalizou dizendo que, caso o grupo que invadiu o TSE tivesse aguardado mais tempo em seu ataque, os hackers poderiam invadir o banco de dados com os resultados eleitorais e acrescentar tabelas para alterar votos e, consequentemente, beneficiar um determinado candidato.

– Se a gente quiser criar tabela, nome de banco dados, acrescentaria sim, manipularia tudinho – finalizou.




Um comentário:

  1. Ainda que ele consiga mudar o resultado uma vez conectadas as urnas na internet para contabilização dos votos, não seria efetivo porque antes de serem conectadas as urnas emitem um documento com a contagem efetiva dos votos ali. Bastaria uma auditoria(Essa que acontece antes e depois) e se constataria a invasão e o resultado oficial ainda estaria protegido por conta desse documento gerado por cada urna antes de conectada ao sistema do tse.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();