URGENTE: China criou ratos com pulmões humanos para testar vírus Sars da covid antes da Pandemia, comprova Conselho de Segurança Nacional dos EUA



Estudo ocorreu poucos meses antes da pandemia, segundo investigadores do Conselho de Segurança Nacional dos EUA

Pesquisadores médicos do exército chinês desenvolveram ratos com pulmões de humanos no ano de 2019, a fim de testar o vírus Sars, pouco antes da pandemia da Covid-19, segundo aponta investigação da revista norte-americana Vanity Fair.

Os ratos foram criados com tecnologia de engenharia genética CRISPR, e mencionados em estudo de abril de 2020 sobre a suscetibilidade dos animais ao SARS-CoV-2, vírus causador da Covid-19. Onze entre os 23 coautores do estudo trabalharam para o instituto de pesquisa médica do exército chinês, a Academia de Ciências Médicas Militares.

LEIA TAMBÉM: Morre jornalista que “torceu” para coronavírus matar Bolsonaro, Fábio Campana faleceu aos 74 anos, vítima da Covid-19 e estava vacinado com coronavac

Manifestações contra Bolsonaro “fracassam” e web debocha

Igreja Universal doa 280 mil kits de higiene em 602 presídios brasileiros

Morre de infarto professor que pediu fuzilamento de bolsonaristas

URGENTE: China confirma primeiro contágio humano no mundo da cepa H10N3 da gripe aviária

Prefeitos e governadores continuam agindo como se o vírus não pegasse em ônibus lotado

De acordo com investigadores do Conselho de Segurança Nacional dos EUA, os ratos citados na pesquisa foram criados durante o verão de 2019. Os mesmos investigadores acreditam ter “descoberto evidências importantes” que corroborariam para a hipótese de o novo coronavírus ter vazado de um laboratório, disse a Vanity Fair.

A pesquisadora líder do Instituto de Virologia de Wuhan, Shi Zhengli, teria testado ao menos dois novos coronavírus em “ratos humanizados”. A cientista negou que o laboratório conduza pesquisas militares e a possibilidade de o vírus ter vazado do local. Mas, em entrevista ao Scientific American em março de 2020, ela afirmou que ficou aliviada ao saber que as sequências genéticas dos vírus nos pacientes da Covid-19 não corresponderam às dos vírus que sua equipe coletou em cavernas de morcegos.

– Isso realmente tirou um peso da minha mente. Há dias que eu não dormia nada – disse ela na ocasião, detalhando ter “examinado freneticamente os registros de seu próprio laboratório nos últimos anos para certificar se havia manuseio incorreto dos materiais experimentais”.

Apesar de a hipótese ser encarada com “teoria da conspiração”, o Departamento de Estado reconheceu a possibilidade e criticou o Partido Comunista Chinês por impedir uma “investigação transparente e completa da origem da pandemia Covid-19”, apontou o Daily Mail.

– Alternativamente, um acidente de laboratório poderia assemelhar-se a um surto natural se a exposição inicial incluísse apenas alguns indivíduos e fosse agravada por infecção assintomática – diz folheto informativo da entidade.

De acordo com o Departamento de Estado, o Instituto de Wuhan “colaborou em publicações e projetos secretos com os militares da China”, enquanto “apresentava-se como uma instituição civil”.

– A WIV está engajada em pesquisas confidenciais, incluindo experimentos com animais de laboratório, em nome dos militares chineses desde pelo menos 2017.

A investigação da Vanity Fair diz ainda que Gilles Demaneuf, cientista de dados do Banco da Nova Zelândia em Auckland, descobriu quatro vazamentos do SARS de laboratórios desde 2004, sendo dois deles em importante centro de pesquisa de Pequim.



Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();