Universidade de Oxford testa ivermectina contra a Covid-19


Na fase laboratorial, pesquisa indicou que medicamento resultou na redução da replicação do vírus, diz a instituição

A Universidade de Oxford anunciou nesta quarta-feira (23) que está testando a ivermectina como possível tratamento de combate à Covid-19 na recuperação de casos não graves. Batizada de “Principle”, a pesquisa é financiada pelo governo britânico.

Na fase laboratorial, a pesquisa indicou que o medicamento resultou na redução da replicação do vírus, diz a universidade. Um breve estudo piloto mostra que o antiparasitário poderia diminuir a carga viral e a duração dos sintomas em pacientes com quadros leves da doença.

LEIA TAMBÉM: Após seguidos Lockdowns sem resultado, Prefeito petista decreta novo lockdown em Araraquara

Motociata com Bolsonaro gera R$ 40 milhões em receita para o Estado e arrecada mais de 700 toneladas de alimentos em São Paulo

Sikêra “cala a Folha” e confirma que recebeu dinheiro do governo: " Vivo de propaganda e não trabalho de graça"

Site petista BRASIL247 defende Lázaro serial killer satanista e diz que assassino é vítima

Real salta de 116º lugar e se torna a 12ª moeda que mais se fortalece no mundo

Chris Butler, um dos líderes do Principle, afirma que o objetivo é esclarecer os eventuais benefícios e riscos relacionados à administração da ivermectina contra a Covid.

– Ao incluir a ivermectina em um estudo de grande escala como o Principle, esperamos gerar evidências robustas para determinar o quão eficiente o tratamento é contra a Covid-19 e se há benefícios ou prejuízos associados ao seu uso – explica.

Serão excluídas dos testes pessoas que possuam condições graves no fígado ou que tomem medicamentos que interajam com a ivermectina.

Testes anteriores envolvendo a ivermectina demonstraram resultados “inconclusivos”. A OMS se posiciona contrária à utilização do fármaco no tratamento à Covid-19.

A ivermectina é o sétimo medicamento a ser testado pelo Principle e está sendo investigada junto ao antiviral favipiravir. Em janeiro, o estudo concluiu que os antibióticos azitromicina e doxiciclina são ineficientes em estágios iniciais do vírus.

A Universidade de Oxford é a corresponsável pela vacina anticovid produzida pela farmacêutica AstraZeneca. No Brasil, o imunizante é fabricado e distribuído em parceria com a Fiocruz, no Rio de Janeiro.



Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();