Para calar Bolsonaro nas redes sociais, Renan Calheiros e Randolfe Rodrigues quer convocar Facebook e Youtube para censurar lives do Presidente



Requerimento foi apresentado pelo vice-presidente do colegiado, Randolfe Rodrigues

A CPI da Covid resolveu convocar representantes do Facebook e do YouTube para enquadrar o presidente Jair Bolsonaro. Senadores criticam as falas do chefe do Planalto durante transmissão, nas redes sociais, sobre o combate ao novo coronavírus. A aposta na chamada imunidade de rebanho, alinhada à demora na compra de vacinas, é uma das linhas de investigação da CPI.

Em live transmitida na quinta-feira (17), Bolsonaro afirmou que “todos que contraíram o vírus estão vacinados” e que a contaminação é mais eficaz do que a própria vacinação porque “pegou o vírus para valer”.

LEIA TAMBÉM: Morre de Covid-19, Doutor Lauri Ferreira, Prefeito de Brejo dos Santos-PB, médico já tinha tomado 2° dose da vacina Coronavac

Morre de covid-19 médico do Hospital Regional do Cariri no Ceará, médico já tinha tomado 2° dose da vacina Coronavac

Idoso já vacinado com segunda dose da Coronavac morre de COVID-19 em lar na cidade de Anápolis, Sul de MG

ASSISTA: BOLSONARO ENTRA DE SURPRESA EM AVIÃO E É RECEBIDO COM FESTA

MP-SP investiga ligação do PT com PCC via ONG

O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM), anunciou que vai pautar os requerimentos apresentados por Randolfe Rodrigues (Rede-AP) para aprovar as convocações dos representantes das duas plataformas na semana que vem. Randolfe classificou as declarações de Bolsonaro como “irresponsáveis”.

Nesta sexta-feira (18), dois médicos foram convidados pela base do presidente Jair Bolsonaro para falar na CPI a favor do tratamento precoce. O relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL), criticou a postura de Bolsonaro e anunciou que não faria perguntas aos convidados da sessão. Outros parlamentares de oposição e independentes se retiraram da reunião com o relator após as falas iniciais.

– Essa irresponsabilidade não pode continuar. Isso é a reiteração do crime. O presidente da República continua a fazer o que sempre fez dessa forma irresponsável, utilizando indevidamente as plataformas, as mídias sociais, para induzir os brasileiros ao erro e à morte com mentiras, com falsidades – afirmou Renan Calheiros.

O relator classificou a fala como “escárnio e descaso” e retirou-se da sala de reunião da CPI.

A decisão do relator foi criticada por governistas. O senador Luiz Carlos Heinze (PP-RS) discutiu com Renan e lamentou a postura.

– Não tem o que não lhe interessa – rebateu o parlamentar do PP, quando Renan disse que “não tinha o que perguntar”.

Marcos Rogério (DEM-RO) pediu que um relator substituto fosse designado, mas Omar Aziz negou o pedido, alegando que os dois médicos presentes não eram testemunhas nem investigados, apenas convidados, e que o relator não era obrigado a fazer questionamentos.

*Estadão



Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();