Países que usaram vacinas chinesas voltam a ter aumento de casos de covid-19



Governantes, no entanto, dizem que imunizantes como CoronaVac e Sinopharm diminuíram número de mortes e internações

Com cerca de 3,2 milhões de habitantes, a Mongólia já vacinou 58,7% da sua população contra a covid-19, sendo 52,2% já com a segunda dose. Mesmo assim, o país registrou quase 4,5 mil novos casos na última segunda-feira, o segundo maior aumento diário desde o início da pandemia.

Já as Ilhas Seychelles, no Oceano Índico, com 97 mil moradores, vacinaram 71% de sua população, com a segunda dose já aplicada a mais de 68%. No entanto, o número de novos casos por mil habitantes chegou a 4 mil em maio e está perto dos 1,5 mil nos últimos dias, uma das proporções mais altas do mundo.

LEIA TAMBÉM: Após seguidos Lockdowns sem resultado, Prefeito petista decreta novo lockdown em Araraquara

Motociata com Bolsonaro gera R$ 40 milhões em receita para o Estado e arrecada mais de 700 toneladas de alimentos em São Paulo

Sikêra “cala a Folha” e confirma que recebeu dinheiro do governo: " Vivo de propaganda e não trabalho de graça"

Site petista BRASIL247 defende Lázaro serial killer satanista e diz que assassino é vítima

Real salta de 116º lugar e se torna a 12ª moeda que mais se fortalece no mundo

O que os dois países têm em comum? Ambos recorreram a vacinas chinesas como a CoronaVac e a Sinopharm, para realizar suas relativamente bem-sucedidas campanhas de imunização. No entanto, são dois exemplos de locais em que os surtos de covid-19 voltaram a ocorrer nas últimas semanas.


Visões conflitantes

A questão divide a opinião pública e especialistas e coloca em cheque a efetividade das vacinas desenvolvidas na China para conter a doença. Os imunizantes foram distribuídos em massa a países vizinhos, no que o governo chinês chegou a descrever como um "bem global".

Em entrevista ao New York Times, Batbayar Ochirbat, pesquisador-chefe do grupo de emergências do ministério da Saúde da Mongólia, defendeu a vacinação com imunizantes chineses, citando principalmente o ainda baixo número de mortes, em comparação com a alta de casos. Na segunda-feira, foram registrados 23 óbitos.

Para ele, a razão para o aumento de casos em seu país é que o país reabriu rápido demais e pessoas que tinham tomado apenas uma dose se expuseram, achando que estavam protegidas.

"Acho que podemos dizer que os mongóis celebraram cedo demais. Meu conselho é que as comemorações devem começar apenas depois que todos estiverem plenamente imunizados, essa é a lição que aprendemos. Fomos confiantes demais", explicou ele.

Outro especialista ouvido pelo jornal norte-americano, Nikolai Petrovsky, professor de saúde pública na Universidade de Flinders, na Austrália, diz que as evidências parecem apontar que a vacina da Sinopharm previne infecções mais severas, mas tem um efeito menor para reduzir a transmissão.

"Acho que essa complexidade não foi levada em conta por muitos líderes pelo mundo", disse ele. Petrovsky. Segundo ele, pessoas que foram vacinadas ainda podem contrair o vírus e, sem apresentar muitos sintomas, ainda correm o risco de voltar à vida normal e transmitir para outros.

Na Indonésia, que enfrenta uma nova variante do coronavírus, mais de 350 médicos e trabalhadores da saúde contraíram a doença mesmo após terem recebido as duas doses de CoronaVac, de acordo com a associação de médicos do país. Dez dos 61 médicos indonésios que morreram este ano tinham sido imunizados com ela.

Um fator que dificulta investigações sobre a efetividade das vacinas é que o governo chinês não divulgou dados completos sobre a imunização com elas em uma escala global. Um estudo realizado no Chile mostra uma efetividade da CoronaVac em torno de 67% para prevenir a doença sintomática, 85% contra internação, 89% contra internação em UTI e 80% em prevenir mortes.



Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();