Mercado já prevê alta de até 5,5% para o PIB deste ano


Resultado no primeiro trimestre de 2021 indica que o PIB brasileiro voltou ao patamar pré-crise

Puxado por atividades exportadoras como a agropecuária e a indústria extrativa, o Produto Interno Bruto (PIB, valor de tudo que é produzido na economia) cresceu 1,2% no primeiro trimestre do ano, na comparação com os últimos três meses de 2020.

Divulgado nesta terça-feira (1º) pelo IBGE, o resultado ficou acima das previsões do mercado (que estimava avanço em torno de 0,7%) e levou algumas instituições a projetar alta de até 5,5% no fechamento do ano.

Ainda assim, uma terceira onda de Covid-19 no país e um eventual racionamento de energia são citados por analistas como os principais riscos para atividade.

Com o crescimento registrado entre janeiro e março, o PIB voltou ao patamar do quarto trimestre de 2019, período pré-pandemia. Mas ainda está 3,1% abaixo do ponto mais alto da atividade econômica do país, alcançado no primeiro trimestre de 2014.

LEIA TAMBÉM: Morre jornalista que “torceu” para coronavírus matar Bolsonaro, Fábio Campana faleceu aos 74 anos, vítima da Covid-19 e estava vacinado com coronavac

Manifestações contra Bolsonaro “fracassam” e web debocha

Sobe para 66 o número de idosos contaminados com covid e 2 mortos em asilo de Anápolis, todos já tinham sido vacinados com segunda dose

Irmão da traficante mais procurada do Brasil Sandra Sapatão é assessor de deputada do Psol

Igreja Universal doa 280 mil kits de higiene em 602 presídios brasileiros

O resultado foi visto pelo governo como um sinal de acerto da política econômica e levou o ministro Paulo Guedes a falar em desbloqueio de recursos do Orçamento.

Já a Bolsa de Valores bateu ontem o terceiro recorde consecutivo, ao alcançar 128,2 mil pontos, na expectativa de crescimento de receita das empresas.

Uma pesquisa do Projeções Broadcast com 22 instituições indicou melhora também nas estimativas para o PIB no ano. A mediana passou de 4,2%, em sondagem antes da divulgação dos dados oficiais, para 5,0%. As apostas oscilam agora entre 3,3% e 5,5%. Entre os mais otimistas, estão Goldman Sachs e BNP Paribas. Bradesco e Itaú Unibanco esperam 4,8% e 5,0%, respectivamente.

Ainda há riscos para a consolidação desse cenário de maior crescimento, como a própria evolução da pandemia e a dinâmica do mercado de trabalho e renda.

Afetado pela elevada inflação de alimentos, pelo alto desemprego e pela ausência do auxílio emergencial (que só voltou a ser pago pelo governo federal em abril), o consumo das famílias ficou estagnado, com ligeira queda de 0,1% ante o quarto trimestre.

Além disso, a crise hídrica ameaça tanto o crescimento econômico, por causa da oferta de eletricidade, quanto a inflação, com esperados reajustes na conta de luz.

– E tanto uma piora da pandemia como o risco hidrológico afetam o [equilíbrio] fiscal, por pressão por mais gastos, com transferências ou subsídios – disse a economista-chefe do Credit Suisse no Brasil, Solange Srour.

AGROPECUÁRIA

O crescimento do primeiro trimestre foi puxado pela agropecuária, que saltou 5,7% sobre o quarto trimestre de 2020, com destaque para a colheita da soja, e pelo PIB industrial, que avançou 0,7% na mesma base de comparação (com alta de 3,2% no segmento extrativo).

Na ótica da demanda, esses setores puxaram a alta de 4,6% nos investimentos, embora esse avanço tenha sido artificialmente inflado por mudanças na tributação da indústria de petróleo e gás.

Mais afetados pela pandemia, os serviços, principal componente do PIB pela ótica da oferta, cresceram 0,4% na comparação com o quarto trimestre de 2020, ainda demonstrando lentidão na retomada. Na comparação com os três primeiros meses de 2020, apresentaram queda de 0,8%.

– O setor agrícola continuou superforte neste primeiro trimestre, e a indústria e os serviços estão aprendendo a se readequar. Olhando para segundo trimestre, os indicadores antecedentes também são favoráveis, com alta na confiança de quase tudo. E a mobilidade também não sentiu os lockdowns regionais de forma expressiva – disse o economista Daniel Xavier, do Banco ABC Brasil.

No início da pandemia, as restrições ao contato levaram a uma paralisação inédita da produção, das vendas e dos serviços, derrubando a atividade econômica. Com o passar dos meses, o efeito da menor mobilidade sobre os indicadores econômicos caiu, diz um relatório da LCA Consultores, sugerindo que “as economias se adaptaram à pandemia”, com “uso intensivo de tecnologia, sistemas híbridos (presencial e virtual) de trabalho e ampliação do e-commerce”

*Estadão.



Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();