Vacinado com coronavac, sambista Nelson Sargento, de 96 anos, é intubado com Covid



Estado de saúde do sambista é considerado grave

Internado desde quinta-feira (20) passada após ser diagnosticado com Covid-19, o sambista Nelson Sargento, de 96 anos, está em estado grave. Segundo a assessoria do compositor, a família autorizou sua intubação na tarde desta quarta-feira (26).

Em nota, o Instituto Nacional de Câncer (Inca), onde Sargento está internado, informou que “o paciente foi transferido para a UTI no último sábado (22) apresentando piora do padrão ventilatório e hipertensão, assim respirando com auxílio de máscara de oxigênio”.

LEIA TAMBÉM:  Trans que imitou Jesus gay perde ação para Sikêra e é condenada a pagar honorários

Aos gritos de mito, Bolsonaro inaugura ponte sobre o rio madeira, Ponte era esperada há 40 anos

Exclusivo: documentos do MPRJ sobre ação policial detalhada no Jacarezinho foram apreendidos com traficantes; Alguém do MP vazou para os traficantes

Polícia Federal deflagra operação contra desvio de medicamentos para intubação no Amapá

O Inca informou ainda que Nelson Sargento foi internado após apresentar quadro de desidratação, anorexia e significativa queda do estado geral. Ele foi diagnosticado com Covid-19 assim que chegou ao hospital.

Nelson Sargento foi um dos primeiros cariocas vacinados contra o coronavírus. Ele recebeu a primeira dose da Coronavac em 31 de janeiro. À época, o compositor foi um dos nomes escolhidos pela Prefeitura do Rio para marcar o início da campanha de imunização na cidade.

Em fevereiro, em entrevista ao Estadão, Sargento lamentou a pandemia, que levou ao cancelamento do carnaval carioca e o obrigou a passar seus dias dentro do apartamento onde mora, em Copacabana, na Zona Sul. Na ocasião, porém, ele se mostrou otimista e falou sobre a felicidade de ter sido vacinado.

– Isso tudo vai passar. Tem que passar. Levantei a manga da camisa, a moça fez o trabalho dela. Eu fui ao céu e voltei – disse o sambista, que se emocionou ao receber a primeira dose da vacina.

*Estadão



2 comentários:

  1. Infelizmente o Doria por politica induziu a Anvisa autorizar a vachina coronavac ai a partir de janeiro começaram a usar os idosos como cobaia de uma vacina feita as pressas por quem infectou o mundo coma covid.Como um virologista postou a princípio nenhuma vacina feita em 4 meses é garantia de nada,mas a coronavac e a pior,disse que os cidadãos que se vacinarem e para não correram riscos deveriam tomar invermectina e outros remédios para prevenção após sentirem sintomas,prevenção e não a cura!

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente estou presenciando uma tentativa de impedimento de um governo que, apesar de suas falhas prima pela segurança do povo brasileiro.
    Querem responsabilazo-lo pelas mortes por cobid-19 e isso é ruim para o país.
    Ninguém pode comprar um produto que ainda está sendo desenvolvido para lidar com a saúde na pandemia.
    Dinheiro público não pode ser gasto de qualquer jeito só porque alguém que pode se aproveitar disso quer.
    A vacina coronavac está aí. Mas, que tomou as duas doses tem que continuar usando máscara e manter distância social. É estranho por demais.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();