URGENTE: Fachin, do STF, arquiva inquérito e proíbe PF de investigar Toffoli, em delação, Cabral disse que Toffoli vendeu sentenças e recebeu R$ 4 milhões


Ministro também proibiu investigações com base na delação do ex-governador Sérgio Cabral, que embasou o pedido da PF

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal), Edson Fachin, negou nesta sexta-feira (14) o pedido da Polícia Federal para investigar seu colega, o ministro Dias Toffoli, que teve o nome citado em delação do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

LEIA TAMBÉM:  Trans que imitou Jesus gay perde ação para Sikêra e é condenada a pagar honorários

Aos gritos de mito, Bolsonaro inaugura ponte sobre o rio madeira, Ponte era esperada há 40 anos

Exclusivo: documentos do MPRJ sobre ação policial detalhada no Jacarezinho foram apreendidos com traficantes; Alguém do MP vazou para os traficantes

Polícia Federal deflagra operação contra desvio de medicamentos para intubação no Amapá

 Fachin sai em defesa dos traficantes e cita indícios de ‘execução arbitrária’ no Jacarezinho

Fachin também proibiu novas investigações com base no depoimento – que embasou o pedido de investigação da PF – até julgamento do processo pelo Plenário do STF, no dia 21 de maio.

Ele justificou barrar a investigação de acordo com manifestação da PGR (Procuradoria-Geral da República) sobre as delações de Cabral. A Procuradoria entrou com recurso em 11 de fevereiro contra o depoimento, por suspeitar que o ex-governador continua ocultando valores recebidos por meio de propina e corrupção.

"O entendimento é o de que esse fato viola “a boa-fé objetiva”, condição necessária à elaboração de acordos de colaboração", escreveu o órgão, em nota. Por isso, segundo Fachin, o STF deveria seguir o entendimento da PGR sobre a validade da delação, de acordo com precedentes do Supremo.

Sérgio Cabral está preso desde novembro de 2016 , condenado em mais de 13 ações penais que somadas ultrapassam 280 anos de reclusão.

Entre outras informações, o acordo de delação premiada do ex-governador acusa o ministro Dias Toffoli de ter recebido R$ 4 milhões para favorecer dois ex-prefeitos da capital carioca em processos do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Com base nesta delação, a PF pediu no dia 11 de maio a abertura de inquérito contra o ministro. 



 

5 comentários:

  1. Um paí onde bandidos fazem as leis,a impunidade é certa.

    ResponderExcluir
  2. O País onde o crime compensa, crime de colarinho branco. Perseguição para os que falam a verdade deles nas redes, mandam prender no etc, mas eles..... O clube da Luluzinha da alta cúpula do judiciário se protegem e faz de conta quando é debitado da nossa conta e creditado na deles. Não somos otários.

    ResponderExcluir
  3. Com certeza se investigar Tofilli, vai chegar em toda a bandidagem da corte.
    ^m bandido protegendo o outro e ambos se protegem da justiça!

    ResponderExcluir
  4. Como podemos acreditar na Lei se os próprios ministros do STF estão envolvidos em muitas falcatruas e fraudes. O Senado tem que dar um basta nisso.

    ResponderExcluir
  5. Como podemos acreditar na Lei se os próprios ministros do STF estão envolvidos em muitas falcatruas e fraudes. O Senado tem que dar um basta nisso.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();