MESMO COM LEI DO VOTO AUDITÁVEL, TSE TENTARÁ OBSTRUIR VOTO IMPRESSO



Ministros avaliam aumentar número de urnas que passam por teste de segurança

Em nova ofensiva contra o voto impresso auditável, que avança no Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal já avalia um “meio-termo” para as eleições presidenciais de 2022.

A Corte discute aumentar o percentual de urnas eletrônicas que devem ser submetidas ao chamado “teste de integridade”, que atesta o funcionamento 100% confiável do equipamento. A ideia é aumentar o número de equipamentos testados como forma de “reforçar” a lisura do processo eletrônico.

LEIA TAMBÉM: Toffoli ministro do STF recebeu R$ 3 milhões para mudar voto, afirma Cabral em delação

URGENTE: Documento chinês vazado aponta coronavírus como arma biológica cinco anos antes da pandemia

Bolsonaro sobrevoa protesto e apoiadores gritam: ‘Eu autorizo!’

DEM expulsa Rodrigo Maia, que deverá perder o mandato

Atualmente, cerca de 100 urnas eletrônicas são escolhidas aleatoriamente para passar pelo processo de verificação de segurança. O teste é feito às vésperas do dia da eleição. Na verificação, um grupo de voluntários vota na urna eletrônica e também de forma impressa. No final, os resultados são conferidos para determinar se correspondem à realidade. Uma empresa de auditoria independente é contratada para acompanhar o processo.

A ideia do STF é solicitar um estudo técnico a um órgão independente para determinar quantas urnas a mais seriam verificadas para tornar a eleição eletrônica ainda mais segura e confiável.

VOTO IMPRESSO

No último dia 13, foi instalado o projeto de emenda constitucional para implementar o voto impresso e auditável já nas eleições do próximo ano. Uma comissão especial na Câmara irá analisar a proposta.

A ideia do voto impresso é dar ao eleitor um comprovante físico que mostre em quem ele votou, para poder ser conferido. Após checar o comprovante, a impressão é depositada em uma urna lacrada, de forma automática e sem contato manual – possibilitando uma eventual auditoria.

8 comentários:

  1. Esse desespero todo desses urubus da toga é medo do [mano deles de fraudar a eleição não dá certo?
    Só vai dar certo se continuar,os com essa força de urnas!

    ResponderExcluir
  2. O desespero do boca de veludo é a prova q esses criminosos qr fraudar as eleições de 2022

    ResponderExcluir
  3. Só no Brasil uma corte de incompetentes, tenta legislar no lugar do congresso e governar no lugar do executivo.

    ResponderExcluir
  4. A reação do Ministro Roberto Barroso só aumenta a falta de credibilidade nas urnas eletrônicas. Se é tão confiável, qual o problema de ser 100% auditável?

    ResponderExcluir
  5. Eu nao confio nesse sistema....tem fraude simmm. Eu nao confio no TSE...incompetencia e parcialidade....

    ResponderExcluir
  6. Eu não entendi se as urnas eletrônicas são tão confortáveis porque o medo? Vamos liberar o voto impresso auditável! Porque não?

    ResponderExcluir
  7. Eu não consigo confiar na urna eletrônica, porque não as urnas eletrônicas com votos auditáveis?

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();