Breaking news

MESMO COM LEI DO VOTO AUDITÁVEL, TSE TENTARÁ OBSTRUIR VOTO IMPRESSO



Ministros avaliam aumentar número de urnas que passam por teste de segurança

Em nova ofensiva contra o voto impresso auditável, que avança no Congresso Nacional, o Supremo Tribunal Federal já avalia um “meio-termo” para as eleições presidenciais de 2022.

A Corte discute aumentar o percentual de urnas eletrônicas que devem ser submetidas ao chamado “teste de integridade”, que atesta o funcionamento 100% confiável do equipamento. A ideia é aumentar o número de equipamentos testados como forma de “reforçar” a lisura do processo eletrônico.

LEIA TAMBÉM: Toffoli ministro do STF recebeu R$ 3 milhões para mudar voto, afirma Cabral em delação

URGENTE: Documento chinês vazado aponta coronavírus como arma biológica cinco anos antes da pandemia

Bolsonaro sobrevoa protesto e apoiadores gritam: ‘Eu autorizo!’

DEM expulsa Rodrigo Maia, que deverá perder o mandato

Atualmente, cerca de 100 urnas eletrônicas são escolhidas aleatoriamente para passar pelo processo de verificação de segurança. O teste é feito às vésperas do dia da eleição. Na verificação, um grupo de voluntários vota na urna eletrônica e também de forma impressa. No final, os resultados são conferidos para determinar se correspondem à realidade. Uma empresa de auditoria independente é contratada para acompanhar o processo.

A ideia do STF é solicitar um estudo técnico a um órgão independente para determinar quantas urnas a mais seriam verificadas para tornar a eleição eletrônica ainda mais segura e confiável.

VOTO IMPRESSO

No último dia 13, foi instalado o projeto de emenda constitucional para implementar o voto impresso e auditável já nas eleições do próximo ano. Uma comissão especial na Câmara irá analisar a proposta.

A ideia do voto impresso é dar ao eleitor um comprovante físico que mostre em quem ele votou, para poder ser conferido. Após checar o comprovante, a impressão é depositada em uma urna lacrada, de forma automática e sem contato manual – possibilitando uma eventual auditoria.

9 comentários:

  1. Esse desespero todo desses urubus da toga é medo do [mano deles de fraudar a eleição não dá certo?
    Só vai dar certo se continuar,os com essa força de urnas!

    ResponderExcluir
  2. O desespero do boca de veludo é a prova q esses criminosos qr fraudar as eleições de 2022

    ResponderExcluir
  3. Só no Brasil uma corte de incompetentes, tenta legislar no lugar do congresso e governar no lugar do executivo.

    ResponderExcluir
  4. A reação do Ministro Roberto Barroso só aumenta a falta de credibilidade nas urnas eletrônicas. Se é tão confiável, qual o problema de ser 100% auditável?

    ResponderExcluir
  5. Eu nao confio nesse sistema....tem fraude simmm. Eu nao confio no TSE...incompetencia e parcialidade....

    ResponderExcluir
  6. Eu não entendi se as urnas eletrônicas são tão confortáveis porque o medo? Vamos liberar o voto impresso auditável! Porque não?

    ResponderExcluir
  7. Eu não consigo confiar na urna eletrônica, porque não as urnas eletrônicas com votos auditáveis?

    ResponderExcluir
  8. Eu NÃO CONFIO NESSAS URNAS ELETRÔNICAS! VOTO IMPRESSO JÁ!!

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();