Morre jornalista que “torceu” para coronavírus matar Bolsonaro, Fábio Campana faleceu aos 74 anos, vítima da Covid-19 e estava vacinado com coronavac



Fábio Campana estava vacinado com a CoronaVac

O jornalista Luiz Fábio Campana morreu na noite deste sábado (29), aos 74 anos, em decorrência de complicações da Covid-19. Campana estava internado em um hospital de Curitiba, no Paraná, desde a quarta-feira (26).

Apesar da longa carreira jornalística, Campana chamou a atenção em junho de 2020, quando publicou um artigo intitulado ‘Por que torço para que Bolsonaro morra’ em seu blog. Na ocasião, Bolsonaro havia sido diagnosticado com Covid-19.

No texto, Campana afirma que “a ausência de Bolsonaro significaria que já não teríamos um governante minimizando a epidemia nem sabotando medidas para mitigá-la”.

LEIA TAMBÉM: Sobe para 66 o número de idosos contaminados com covid e 2 mortos em asilo de Anápolis, todos já tinham sido vacinados com segunda dose

URGENTE: Cunhado de Gilmar Mendes é preso em boca de fumo com arsenal de armas

Com medo, governadores avaliam recorrer ao STF para não comparecerem à CPI da Pandemia

Doria dá "xilique" e interrompe discurso de Zambelli durante inauguração de conjunto habitacional para xingar Bolsonaro. VEJA VÍDEO!

Fachin sai em defesa dos traficantes e cita indícios de ‘execução arbitrária’ no Jacarezinho

Ainda de acordo com o escritor, a morte do presidente traria mais tranquilidade entre as instituições do país.

– Bônus políticos não contabilizáveis em cadáveres incluem o fim (ou ao menos a redução) das tensões institucionais e de tentativas de esvaziamento de políticas ambientais, culturais, científicas, etc. – defendeu.

Campana havia sido vacinado com a primeira dose de CoronaVac em 25 de março, tendo tomado a segunda dose cerca de 3 semanas depois. Apesar de estar com o ciclo de imunização completo, o jornalista não resistiu às complicações da doença.

ALIADOS DE BOLSONARO IRONIZAM

Nas redes sociais, aliados de Jair Bolsonaro ironizaram o falecimento do jornalista que “desejou” a morte do presidente. O assessor especial Tercio Arnaud publicou a notícia sobre Campana com emojis chorando. O tuíte de Tercio foi republicado pelo deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente.

– A opção pelo confronto, ela não é da polícia, ela é do criminoso. O policial não tem o direito de reagir, mas o dever de reagir. Se a principal função do policial é defender a sociedade, é defender o policial que está ao seu lado, como ele vai defender se ele não reagir e defender a sua própria vida.

A Operação Exceptis resultou em 28 mortes, sendo 27 de suspeitos de envolvimento com o crime e 1 de policial. Somente no local onde o agente André Frias foi morto, seis ataques foram computados.


 

6 comentários:

  1. Vai encontrar com lucifer, menos um pra atrapalhar o país!

    ResponderExcluir
  2. Estas pessoas,ainda não entendeu ou não quer entender, que eles estão buscando confronto, não com Bolsonaro,mas sim com quem lhe escolheu para estar atrás da linha de frente nesta guerra,pois a frente está o Deus dos exércitos,o todo poderoso, ele sempre vencerá,até mesmo ao exercício da china; não se engane imperador chinês,na hora que vc acionar seu poderio bélico;nenhum deles responderá fogo,pois nenhuma arma forjada alcançará os escolhido de Deus. Isto é uma certeza nossa é de o ungido Bolsonaro.

    ResponderExcluir
  3. Não entenderam. Corrigindo o texto acima.

    ResponderExcluir
  4. Estas pessoas ainda não entenderam. Corrigindo o texto anterior.

    ResponderExcluir
  5. Existe um ditado muito simples DEUS ESTA A FRENTE DE TUDO (Este VÍRUS foi criado para exterminar uma parte da humanidade), os responsáveis por isto vão pagar o preço por isto.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();