Míssil do Hamas mata criança israelense de 6 anos



Confronto já tem mais de 70 mortos nos dois lados

Israel e as milícias palestinas não mostraram nenhuma contenção nesta quarta-feira (12), apesar das mortes de civis e dos pedidos da comunidade internacional, e intensificaram os ataques pelo terceiro dia, encaminhando os novos confrontos a uma quarta guerra.

Os mais de mil foguetes lançados do enclave do Hamas – a maioria foi interceptada ou falhou – mataram uma criança de 6 anos nesta quarta, segundo o serviço médico de emergência israelense United Hatzalah, elevando para sete o número de vítimas em Israel. Em Gaza, 65 palestinos morreram desde a segunda-feira (10), entre eles 16 menores.

LEIA TAMBÉM:  Trans que imitou Jesus gay perde ação para Sikêra e é condenada a pagar honorários

Aos gritos de mito, Bolsonaro inaugura ponte sobre o rio madeira, Ponte era esperada há 40 anos

Exclusivo: documentos do MPRJ sobre ação policial detalhada no Jacarezinho foram apreendidos com traficantes; Alguém do MP vazou para os traficantes

Polícia Federal deflagra operação contra desvio de medicamentos para intubação no Amapá

Segundo o portal Ynet, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, confirmou ao gabinete de segurança que recusou uma proposta da Rússia para alcançar um cessar-fogo. O mesmo site informou que o gabinete aprovou nesta quarta-feira um plano para intensificar os ataques contra as milícias palestinas no enclave.

Por outro lado, o movimento islâmico Hamas, que governa em Gaza, afirmou que não aceitará uma trégua até que os bombardeios acabem. O número dois da organização, Salah al Arouri, disse, em entrevista ao canal Al Aqsa TV, que os foguetes e mísseis disparados nos últimos dias são “ações antigas” das quais queriam se desfazer e que o arsenal mais novo ainda não foi disparado.

Os bombardeios israelenses, que incluíram uma operação de inteligência contra “o comando militar supremo” das Brigadas al Qassam, o braço armado do Hamas, custaram a vida do comandante Bassem Issa, na cidade de Gaza.

Três guerras aconteceram em períodos recentes: 2008, 2012 e 2014, esta última a mais sangrenta, com mais de 2,2 mil palestinos e 73 israelenses mortos, além de milhares de feridos.


*Com informações da agência EFE


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();