Israel: Facebook age com preconceito e derruba a maior página de oração por Jerusalém


A página foi invadida por comentários ofensivos de radicais islâmicos

Uma página no Facebook em favor de Israel foi derrubada após radicais islâmicos publicarem milhares de postagens antissemitas na página, neste sábado (15).

A Jerusalem Prayer Team (Equipe de Oração por Jerusalém) é o maior site pró-Israel no Facebook do mundo, assim como o maior sobre religião em geral, com 78 milhões de seguidores.

A página estava hospedando um evento global de oração diária pela paz em Jerusalém, conforme informações de Michael Evans, especialista em Oriente Médio e fundador da página.

LEIA TAMBÉM: Toffoli ministro do STF recebeu R$ 3 milhões para mudar voto, afirma Cabral em delação

URGENTE: Documento chinês vazado aponta coronavírus como arma biológica cinco anos antes da pandemia

Bolsonaro sobrevoa protesto e apoiadores gritam: ‘Eu autorizo!’

DEM expulsa Rodrigo Maia, que deverá perder o mandato

Em apenas um dia, o número de engajamentos e impressões ultrapassou os 40 milhões, incluindo um estrondoso número de pessoas em posição de ataque, postando declarações e fotos anti-Israel.

Ataques como “Israel é um porco sujo”, “os israelenses são terroristas”, “é uma página dos bastardos” e “os israelenses são gângsteres racistas e criminosos”, estavam entre os mais de 790.000 comentários.

Alguns usuários também aproveitaram para destilar comentários nazistas, inclusive com imagens de Hitler.

– Não vou matar todos os judeus porque vou permitir que algumas pessoas vivam para que eu possa entender por que matei os judeus – dizia um deles.

Outra postagem retratava o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu em cima de uma criança morta enquanto um cinegrafista filmava a cena.

Em entrevista à CBN News, Michael Evans apontou que, embora o Facebook se “orgulhe” de não permitir discurso de ódio em seu site, não fez nada para impedir o festival de ódio de racistas que odeiam judeus.

As postagens antissemitas não estão mais disponíveis.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();