Fachin autorizou Polícia Federal a buscar provas contra Toffoli, ministro é acusado de vender sentenças e ter recebido R$ 4 milhões em propina



Ministro concordou com a alegação da PF de que o acordo de colaboração de Sérgio Cabral tinha cláusula que previa o uso de informações coletadas nas operações Calicute e Boca de Lobo

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou a Polícia Federal (PF) a utilizar dados de duas operações ligadas à Lava Jato no Rio de Janeiro, na apuração que resultou no pedido de inquérito feito pela corporação contra o também ministro Dias Toffoli. A informação foi revelada pelo jornal Folha de São Paulo.

LEIA TAMBÉM: Toffoli ministro do STF recebeu R$ 3 milhões para mudar voto, afirma Cabral em delação

URGENTE: Documento chinês vazado aponta coronavírus como arma biológica cinco anos antes da pandemia

Bolsonaro sobrevoa protesto e apoiadores gritam: ‘Eu autorizo!’

DEM expulsa Rodrigo Maia, que deverá perder o mandato

As informações foram usadas pela PF em um relatório em que a corporação defende que é preciso apurar suposto crime de corrupção do ministro em venda de decisões judiciais. ​Antes da permissão dada por Fachin, o juiz Abel Gomes, do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, negou o compartilhamento por envolver pessoas com foro.

Fachin, porém, concordou com o argumento da Polícia Federal de que o acordo de colaboração de Sérgio Cabral tem uma cláusula que prevê o uso de informações coletadas nas operações Calicute e Boca de Lobo – a primeira prendeu o ex-governador, em 2016, e a outra, seu sucessor, Luiz Fernando Pezão, em 2018.

A partir disso, o material foi utilizado nos pedidos de 20 inquéritos para apurar possíveis crimes praticados por pessoas com foro nas cortes superiores. ​No caso de Toffoli, a PF produziu um relatório em que elenca documentos que, na visão dos delegados, corroboram a acusação de Cabral sobre o ministro ter recebido R$ 3 milhões para beneficiar um prefeito com uma decisão.

A PF usou, por exemplo, e-mails apreendidos na operação Calicute para mostrar que o ex-secretário de Obras do Rio, Hudson Braga, reuniu-se várias vezes com José Luiz Solheiro. Braga, diz Cabral, foi responsável por operacionalizar os pagamentos a Toffoli; já Solheiro teria intermediado o contato entre o ex-governador e o ministro, por meio de sua mulher, a advogada Roberta Rangel.

Da operação Boca de Lobo, investigadores utilizam os registros no celular de encontros do ex-governador Luiz Fernando Pezão para mostrar seus vínculos com Solheiro e com o advogado Bruno Calfat, que defendia o prefeito de Volta Redonda no processo de cassação.

Apesar de ter autorizado a captação de provas, o ministro Fachin acatou, na sexta-feira (14), a posição da PGR e proibiu a PF de investigar Dias Toffoli, apesar de, durante a apuração preliminar, rechaçar a manifestação contrária da PGR e liberar o uso material no âmbito do acordo de Cabral.


Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();