Jornalista morre de Covid-19, mesmo em isolamento por 1 ano


Savas Apóstolo morreu de Covid-19 aos 40 anos Foto: Reprodução

O profissional chegou a recusar dois empregos presenciais, para seguir em home office

O jornalista catarinense Savas Apóstolo, de 40 anos, morreu em decorrência da Covid-19, na sexta-feira(2). Após um dia internado em um hospital particular de Florianópolis (SC), sofreu uma trombose e acabou perdendo a batalha contra o vírus.

Ele trabalhou em diversos jornais do estado e foi assessor de imprensa da Secretaria de Segurança Pública (SSP).

LEIA TAMBÉM: URGENTE: Mulher dada como morta por Covid-19 se levanta do caixão em velório; VÍDEO.

Novo ministro da Defesa General Braga Netto divulga ordem do dia alusiva ao 31 de março de 1964

Com mais de 73 mil mortos, se São Paulo fosse um país seria o 11° com maior número de mortos no mundo, número de mortes é maior que o registrado por 226 países

O jornalista se cuidava rigorosamente desde o início da pandemia em Santa Catarina, em março de 2020. Mesmo assim, acabou infectado pela Covid-19.

De acordo com Vivian Flores, cunhada de Savas, a família adotou cuidados rigorosos durante a pandemia e estava há um ano em isolamento social. Savas, inclusive, rejeitou dois empregos presenciais para seguir trabalhando em home office.

– Ele saía só para comprar produtos essenciais – conta.

No entanto, a esposa, Regiane dos Santos Apóstolo, que é bancária, precisou comparecer presencialmente à empresa em algumas ocasiões. Foi assim que acabou contaminada.

Vivian acredita que a “cadeia de contaminação” começou nos filhos de um colega de trabalho da bancária.

– Um colega de trabalho da minha irmã mandou os filhos para o colégio quando abriu. As crianças, então, voltaram com Covid e transmitiram para ele, que transmitiu para Regiane, que transmitiu para o Savas – relata.

O filho do casal, de 7 anos, seguia nas aulas remotas, já que, segundo Vivian, ele possui sua saúde bastante sensível.

De acordo com a família, tudo ocorreu de uma forma muito rápida. Savas deu entrada no hospital apenas por precaução, já que estava sentindo taquicardia e febre há uma semana.

– Estava sendo tranquilo, não estava tão ruim. Mas o pulmão estava comprometido de 25 a 50% […] – afirmou a cunhada.

– Ontem de manhã, ele acordou e não estava tão mal, mas começaram a vir os sintomas e o coração dele não aguentou – lamentou Vivian, a esposa.



 

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();