EFEITO LOCKDOWN: Produção industrial interrompe 9 altas seguidas e cai 0,7% em fevereiro



Acumula queda de 4,2% em 12 meses

Setor subiu 1,3% no 1º bimestre

A produção industrial do país interrompeu uma sequência de 9 altas seguidas na comparação com o mês anterior e caiu 0,7% em fevereiro contra janeiro.

Os dados com ajuste sazonal (acerto sobre taxas para compensar variações de estações do ano) foram divulgados nesta 5ª feira (1º.abr.2021) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Eis a íntegra (4 MB).

LEIA TAMBÉM: URGENTE: Mulher dada como morta por Covid-19 se levanta do caixão em velório; VÍDEO.

Novo ministro da Defesa General Braga Netto divulga ordem do dia alusiva ao 31 de março de 1964

Com mais de 73 mil mortos, se São Paulo fosse um país seria o 11° com maior número de mortos no mundo, número de mortes é maior que o registrado por 226 países

Ernesto Araújo denuncia lobby de Kátia Abreu e senadores pelo 5G chinês; Ao “final, à mesa, Kátia Abreu disse: “Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado.”

Nesse período de crescimento, o setor acumulou expansão de 41,9%. Com o resultado de fevereiro, a indústria teve alta de 1,3% no 1º bimestre deste ano, em relação ao mesmo intervalo de tempo de 2020. No acumulado de 12 meses, registrou queda de 4,2%.

De acordo com o IBGE, o recuo da indústria, de 0,7% de janeiro para fevereiro de 2021, resulta de taxas negativas generalizadas: 3 entre as 4 grandes e 14 dos 26 ramos pesquisados.

As influências negativas mais importantes vieram de veículos automotores, reboques e carrocerias (-7,2%) e indústrias extrativas (-4,7%). O 1º também interrompeu 9 meses de resultado positivos com ganhos acumulados de 1.249,2% no período.

Entre as 12 atividades em alta, outros produtos químicos (3,3%) e máquinas e equipamentos (2,8%) tiveram os principais impactos positivos em fevereiro de 2021.

Entre as grandes categorias econômicas, bens de consumo duráveis recuaram 4,6% na passagem de janeiro para fevereiro, assinalando a taxa negativa mais acentuada do mês. É o 2º mês seguido de redução na produção, com queda acumulada de 5,5% no período.

Os segmentos de bens de capital (-1,5%) e de bens de consumo semi e não-duráveis (-0,3%) também registraram taxas negativas em fevereiro, com o primeiro interrompendo nove meses de resultados positivos (expansão acumulada de 147,1%) e o segundo revertendo o avanço de 1,7% assinalado em janeiro. Somente o setor de bens intermediários (0,6%) apresentou taxa positiva em fevereiro de 2021, eliminando parte da redução de 1% verificada em janeiro.

Em comparação com fevereiro de 2020, a indústria subiu 0,4% –a 6ª taxa positiva consecutiva.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();