Abratel quer privilégios e pede inclusão de jornalistas em grupos prioritários da vacinação


 

Categoria se arrisca diariamente no trabalho e Brasil é líder mundial em mortes de jornalistas pela covid-19, diz associação

Abratel (Associação Brasileira de Rádio e Televisão) nesta quinta-feira (15) ao governo federal a inclusão de jornalistas, radialistas e profissionais que atuam na comunicação profissional aos grupos prioritários da campanha de vacinação contra a covid-19.

A solicitação foi realizada por meio de ofício ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, o presidente da Câmara, Arthur Lira.

No pedido, a Abratel citou um decreto de Bolsonaro de 22 de março de 2020, definindo as atividades da imprensa como as profissões essenciais, que não poderiam parar durante a pandemia de covid-19.

“Jornalistas, radialistas e trabalhadores da imprensa estão extremamente expostos e vulneráveis, executando a importante missão de cobrir e reportar a grave crise sanitária decorrente do novo Coronavírus. Atuam nas ruas, hospitais, aeroportos, rodoviárias, Congresso Nacional, Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais e outros espaços de grande circulação de pessoas”, defendeu o presidente da associação, Márcio Novaes.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();