Zema: ''se não fosse o tratamento precoce, o colapso já teria acontecido''



O governador de Minas Gerais disse que remédios ajudaram pacientes a receber alta mais cedo

O governador Romeu Zema (Novo) saiu em defesa do "tratamento precoce" contra a COVID-19 nessa quarta (18/3). Segundo ele, o combate à virose com remédios como hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina acelerou a alta de pacientes, principalmente no ano passado.

“Entre o início da pandemia, que foi em abril do ano passado, e o mês de agosto, nós tivemos uma melhoria muito grande no que diz respeito ao tempo que as pessoas ficavam internadas exatamente por causa do tratamento precoce”, afirmou o chefe do Executivo estadual à jornalista Leda Nagle.

“Se não fosse o tratamento precoce, o colapso já teria acontecido”, completou Zema. Apesar disso, o governador do Novo afirmou que não assumiu o protocolo por meio da Secretaria de Estado de Saúde por não haver comprovação científica.

“O protocolo precoce, vale lembrar, pode ser utilizado por cada médico. Ele não pode ser é imposto, forçado pelo estado, disse.

Diante da fala do governador, a reportagem ouviu o infectologista Geraldo Cunha Cury, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), para comentar as declarações.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();