STJ vai gastar R$ 53 milhões em escolta armada para proteger ministros



Segundo a Corte, "há registros de diversos atendimentos de ocorrências nos mais variados graus de periculosidade" contra os magistrados

Para “preservar a integridade” dos ministros do Superior Tribunal de Justiça (STJ), a Corte vai abrir um edital de licitação, nesta segunda-feira (15/3), destinado à contratação de serviços na área de segurança pessoal privada armada. O valor do pregão é de R$ 53 milhões. Esse montante é superior ao último contrato do gênero, que chegou a R$ 28 milhões com aditivos.

LEIA TAMBÉM: General manda recado ao Brasil: Cabe ao povo brasileiro exercer o direito legal e ir para as ruas, de forma ordeira, firme, resoluta, sem descanso e sem retrocessos

URGENTE: Mulher dada como morta por Covid-19 se levanta do caixão em velório; VÍDEO.

Após decisão de Fachin, general fala em "ruptura institucional"

Após Bolsonaro tirar impostos federais do botijão de gás e diesel, governadores e DF aumentam impostos estaduais do diesel e gás de cozinha

Segundo o documento, as escoltas armadas serão direcionadas às cidades de Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro, para a segurança pessoal dos ministros e para a condução de veículos oficiais de representação e de transporte institucional. A assessoria da Corte informou que “há registros de diversos atendimentos de ocorrências nos mais variados graus de periculosidade” contra os magistrados.

“Trata-se de serviço essencial para se manter a integridade física dos senhores ministros, com foco na prevenção de possíveis ameaças, a partir da disponibilização de profissionais armados, atuando nos postos de residência e serviços de escolta”, diz trecho do edital.

Em Brasília, onde se encontra a sede do STJ, serão contratados 172 profissionais de segurança para atuar em defesa dos ministros. Em São Paulo, sete e, no Rio de Janeiro, seis. De acordo com o tribunal, a contratação é necessária para “prevenir a ocorrência de situações que possam colocar em risco a integridade física” dos membros da Corte.

A vigência do contrato será de 20 meses (um ano e oito meses), contados da data de assinatura. O prazo, contudo, pode ser prorrogado, por mútuo acordo entre as partes, mediante termo aditivo, com o limite de 60 meses (cinco anos). Isso ocorreu com a última contratação de segurança armada para a Corte, realizada em 2015, que teve o prazo de vigência encerrado.


Veja a íntegra do edital atual:

Licitação Segurança Armada STJ

Um comentário:

  1. Porque eles não utilizam de segurança os Verdadeiros AMIGOS?! TIPO assim:-O BOLSONARO IRIA CHAMAR...FFAA..E ou Polícia Federal. Que estão aí já recebendo para garantir a Ordem e DEMOCRACIA. Ah!... O STF... Entao para nao onerar ainda mais os cfres publicos...PODERIA CHAMAR A TURMA do NARCOTRAFICO... PCC... E Cumpa cheiros! É!?

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();