SP: comércio prevê 'desespero' e prejuízo bilionário na fase vermelha imposta por Doria



FecomercioSP calcula que mudança vai gerar perda média no mês de R$ 11 bilhões. Alshop e Abrasel também se manifestaram

Entidades do comércio reagiram com críticas à decisão do governo paulista de adotar a fase vermelha do Plano SP em todo o estado. A FecomercioSP (Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo) prevê perda média de R$ 11 bilhões no mês.

Para a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), "é impossível que negócios se mantenham de pé". A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) prevê "desespero a mais para os lojistas".

A medida entra em vigor a partir de sábado (6) e vale até 19 de março, para conter o avanço da pandemia de covid-19. No 14 dias de restrição, somente os serviços essenciais como saúde, alimentação e segurança poderão funcionar.

"A cada dois dias, enfrenta-se uma mudança de posicionamento. É impossível que negócios se mantenham de pé em um cenário desses, no qual falta planejamento e transparência", diz em nota a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

A associação critica o que considera um ambiente de incertezas, gerado pelo governo. "É cruel deixar que bares e restaurantes amarguem sozinhos os prejuízos de mais um fechamento. O que temos pedido incansavelmente ao governador Doria é respeito e justiça", afirma Paulo Solmucci, presidente da Abrasel. Ele comenta que o aumento no ICMS do setor e dos impostos sobre insumos essenciais vão contra medidas que estão sendo feitas ao redor do mundo. "Precisamos de ajuda, reaPrejuízo bilionário

A FecomercioSP calcula que a mudança vai gerar uma perda média no mês da ordem de R$ 11 bilhões. A cifra, de acordo com a entidade, se assemelha aos impactos mensurados de recuo médio mensal de abril e maio do ano passado. Só na capital, a estimativa da FecomercioSP é de uma perda média de R$ 6 bilhões no mês em medição.

O problema maior da reinstalação da Fase Vermelha, que restringe a atividade de setores considerados não essenciais, na visão da FecomercioSP, é que ela não terá a eficácia almejada se não for acompanhada por uma fiscalização constante e intensiva das irregularidades e atividades clandestinas.

No entendimento da FecomercioSP, o comércio formal não é responsável pela proliferação do novo coronavírus, já que a flexibilização das regras de funcionamento desse setor existe desde agosto em diversas regiões do Estado.


Shoppings

A Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping) publicou um comunicado à imprensa afirmando que vê com "grande pesar" a mudança, e cobrou o governo a adotar outras medidas contra a pandemia.

"O poder público deveria, desde o começo, voltar sua atenção em manter hospitais de campanha, aumentar a testagem, reforçar a oferta de transporte público entre outras medidas, e o que estamos vendo é justamente o contrário", afirmou o presidente da Alshop, Nabil Sahyoun. "Sabemos que todos os setores estão sendo prejudicados e que precisamos nos unir para vencer esse vírus."

l e rápida, em São Paulo. Há condições plenas para que isso aconteça. O que parece faltar é vontade."

Ele observou que, mesmo com os protocolos de segurança e higiene adotados pela maioria dos lojistas durante a pandemia, a nova restrição vai prejudicar o comércio e os empregos em geral. "O setor já tem sido prejudicado neste último ano, desde o começo da quarentena", declarou o presidente.

"Serão mais duas semanas de comércio fechado, um desespero a mais para os lojistas que estão vivendo dia após dia nesta incerteza. E isso tudo após a aplicação de protocolos de saúde. Tememos pela aceleração do desemprego, principalmente de pequenos lojistas que representam 70% do total dentro de um shopping".

As lojas de shoppings poderão funcionar somente de forma drive thru, para compras feitas em apps e lojas online, mediante horários agendados e a organização de cada empreendimento. Supermercados dentro dos empreendimentos também poderão funcionar.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();