Socorrista pega covid após tomar 2ª dose da vacina chinesa coronavac



O condutor socorrista Rogério Araújo de Oliveira, 48, teve exame positivo para covid-19 dias após tomar a segunda dose da vacina. Ele havia sido o primeiro a receber o imunizante em Itabuna (BA). Rogério começou a sentir os sintomas cinco dias depois de tomar a segunda dose da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e fabricada no Brasil pelo Instituto Butantan.

Procurado pelo UOL, o Butantan explicou que a vacinação diminui o risco, mas não imuniza totalmente a pessoa.

Ao UOL, Rogério disse que foi vacinado pela primeira vez em 19 de janeiro e recebeu a segunda dose em 17 de fevereiro. "No dia 22 de fevereiro apareceram alguns sintomas. No outro dia me dirigi a uma unidade de saúde e fui orientado a iniciar o isolamento. No dia 24 de fevereiro, realizei o exame PCR e ontem veio a informação que eu tinha testado positivo. Do dia que tomei a segunda dose para os sintomas, são cinco dias", explicou. 

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro vai as redes sociais e divulga quanto mandou para cada estado combater a pandemia em 2020, veja os valores

STF mantém decisão de Gilmar Mendes que mandou soltar homem preso com 188 kg de cocaína

Lockdown está provocando falta de comida, preços altos e miséria em Araraquara

Os sintomas que eu tive no dia 22 foi tosse e calafrios. Quatro dias depois também perdi o olfato e o paladar. 

Hoje o único sintoma que tenho é o olfato e paladar, mas graças a Deus não tive falta de ar Rogério Araújo de Oliveira O Butantan explicou que é preciso algumas semanas após a aplicação da segunda dose para que seja obtida uma resposta imune maior. 

"Algumas pessoas podem ainda ter a doença ou a infecção mesmo tendo sido vacinadas, mas poderão ter uma forma menos grave da doença em função do imunizante", comentou o instituto, através de nota. 

O órgão destacou que a CoronaVac obteve 50,38% de eficácia global no estudo clínico desenvolvido no Brasil, além de proteção de 78% em casos leves e 100% contra casos moderados e graves da covid-19. Todos os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela OMS (Organização Mundial de Saúde).

A médica infectologista Anne Galastri, que é especialista em medicina de viagens e vacina, explica que, para a vacinação atingir a eficácia máxima, é preciso que a pessoa tome as duas doses e respeite a "janela imunológica", que é o período que o organismo leva para produzir anticorpos do imunizante. 

"Depois que a gente toma a primeira dose da vacina a gente ainda não é considerado imunizado. Exceto a vacina da Janssen que ainda não foi autorizada, todas as outras são aplicadas em duas doses. 

Desta forma, você só é considerado imunizado depois que toma as duas doses do imunizante no tempo correto entre elas e, só após 14 a 28 dias que tomou essa segunda dose, seu organismo começa a produzir anticorpos", explicou. Anne lembrou que as vacinas previnem uma agravamento da doença. 

"As vacinas que a gente tem hoje disponíveis no mundo não previnem 100% os casos leves da doença. O que os estudos disseram desde o lançamento dos imunizantes é que, uma vez que a pessoa tivesse o ciclo vacinal completo para o vírus que estava disponível no início da pandemia, ela não evoluiria para um quadro grave", destacou. Os laboratórios ainda pesquisam também se as vacinas aprovadas até o momento têm eficácia contra as dezenas de variantes do coronavírus que têm surgido e provocado novos casos.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();