Paulo Guedes fala em criar fundo para turbinar programas sociais como bolsa família



Ministro quer constituir mecanismo para pagamentos para camada mais pobre da população.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse nesta quinta-feira (25) a senadores que o governo está “devendo” e irá enviar ao Congresso a lei complementar para regulamentar os mecanismos em torno da dívida pública.

– Nós estamos devendo mesmo essa lei complementar, vamos mandar, podemos fazer um trabalho muito importante – disse.

LEIA TAMBÉM: Após Bolsonaro tirar impostos federais do botijão de gás e diesel, governadores e DF aumentam impostos estaduais do diesel e gás de cozinha

URGENTE: Mulher dada como morta por Covid-19 se levanta do caixão em velório; VÍDEO.

PT, PC do B, REDE e PSOL votaram contra criação e aprovação do novo auxílio emergencial que irá socorrer milhões de famílias

Em seguida, o ministro da Economia emendou novos comentários sobre sua ideia de constituir um fundo para robustecer programas sociais e ajudar no combate à dívida pública. Cunhado do “Fundo Brasil” por Guedes, o mecanismo poderia ser dividido igualmente, em três partes, para pagamentos a camada mais pobre da população.

– Tem multa, juros altos. A dívida estadual cresceu brutalmente. Se fosse no setor privado, você renegocia com desconto. Hoje a dívida está grande, Estado não consegue pagar, União acaba dando aval para tudo. Pode ser interessante trocar o aval por um desconto – afirmou o ministro.

A ideia de Guedes de vincular recursos obtidos com o processo de privatizações de empresas estatais a um programa de renda é semelhante a uma proposta já analisada pela equipe do ministro, de destinar os dividendos pagos por essas companhias a fundo que bancaria políticas sociais. Ainda em setembro do ano passado, Guedes já havia defendido dividir os dividendos com os brasileiros mais pobres.

– Temos os ativos para fazer isso acontecer. Não podemos ficar sentados em cima de ativos que estão apodrecendo. Estamos descobrindo coisas inacreditáveis aqui. Um dia vamos conversar sobre isso, sobre esse R$ 1 trilhão de ativos. E não é só um R$ 1 trilhão, é R$ 1,3 trilhão – disse o ministro nesta quinta-feira.

*Estadão

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();