Em resposta a Congresso, Pazuello garante 170 mi de doses de vacinas até junho



Ministro da Saúde respondeu a ofício do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, sobre cronograma de vacinação contra a covid-19

Em resposta a ofício dos presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e Arthur Lira (PP-AL), respectivamente, cobrando informações sobre o cronograma da vacinação contra o novo coronavírus, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, garantiu nesta quarta-feira (10) que o cronograma de vacinação contra a covid-19 está mantido, com a previsão de entregar 170 milhões de doses de vacinas de março até junho deste ano.

LEIA TAMBÉM: General manda recado ao Brasil: Cabe ao povo brasileiro exercer o direito legal e ir para as ruas, de forma ordeira, firme, resoluta, sem descanso e sem retrocessos

Após decisão de Fachin, general fala em "ruptura institucional"

Escândalo de corrupção e propina de máscaras atinge partido de Angela Merkel

Auxílio emergencial dado pelo Governo Bolsonaro impediu queda maior da economia em 2020

Neste cronograma, atualizado pela última vez na última quarta-feira (3), há a previsão de entrega de 38 milhões de doses de vacina já em março, com a chegada de imunizantes da Covax Facility, consórcion internacional para distribuição de imunizantes, além daqueles produzidos pela Fiocruz (Astrazeneca-Oxford) e Sinovac/Butantan (Coronavac).

Em abril, seriam mais cerca de 55,7 milhões de doses, seguidas de 44 milhões em maio e outras 33 milhões até o dia 30 de junho.

Na terça-feira (9), os presidentes do Congresso enviaram o ofício, com prazo de 24 horas para resposta, onde questionaram se houve alguma alteração no cronograma apresentado na semana passada aos senadores, pelo secretário-executivo do Ministério da Saúde, Antônio Elcio Franco Filho.

Pacheco e Lira também perguntaram quais seriam os principais obstáculos para cumprir o plano de vacinação. O ministro Pazuello respondeu que, em relação às vacinas fabricadas no Brasil, o possível atraso na entrega de insumos dos laboratórios com os quais a Fiocruz e o Instituto Butantan têm contrato poderia atrasar o cronograma.

Em relação às vacinas importadas (Covaxin, Sputnik V, Pfizer, Janssen, Moderna e Sinopharm), o ministro citou três possíveis problemas externos que poderiam atrasar o plano. Seriam eles atrasos na apresentação dos relatórios para análise da Anvisa, na produção dos laboratórios no país de origem ou na liberação para importação pelo Brasil. 

De acordo com o cronograma, caso duas destas vacinas importadas (Sputnik V e Pfizer) sejam entregues de acordo com o planejado nas tratativas atuais, o Brasil teria mais 19 milhões de doses de março até junho deste ano.

Ele ainda pontuou que a vacinação da população brasileira contra a covid-19 é a prioridade do Ministério da Saúde. "Destaca-se necessidade urgente de empreender esforços políticos e diplomáticos conjuntos entre Governo Federal, Congresso Nacional, Estados e Municípios, para, de forma integrada, assegurar a disponibilização das vacinas, de maneira eficaz e segura", finalizou.


Vacinação no Brasil

A quantidade de pessoas vacinadas contra a covid-19 no Brasil chegou nesta terça-feira (9), a 8.877.585, de acordo com dados reunidos pelo R7, em parceria com o Portal covid-19 no Brasil. O número representa 4,2% da população total. O estado campeão de vacinação continua a ser São Paulo, com cerca de 2,6 milhões de pessoas vacinadas.

Diante da falta de vacinas a curto prazo e o recrudescimento da pandemia, que passa pelo seu pior momento, o Congresso tem trabalhado para aumentar as fontes de imunizantes. Nesta quarta (10), o presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a lei que permite que estados, municípios e setor privado comprem as doses.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();