Covid-19: Novo remédio é eficaz em estudo, dizem empresas



Medicamento de anticorpo monoclonal reduziu a incidência de hospitalizações e mortes por Covid-19 em 85%

Um medicamento de anticorpo monoclonal reduziu a incidência de hospitalizações e mortes por Covid-19 em 85% na comparação com um placebo em um ensaio clínico, segundo a Vir Biotechnology e a GlaxoSmithKline, que desenvolvem a droga.

LEIA TAMBÉM: General manda recado ao Brasil: Cabe ao povo brasileiro exercer o direito legal e ir para as ruas, de forma ordeira, firme, resoluta, sem descanso e sem retrocessos

Após decisão de Fachin, general fala em "ruptura institucional"

Escândalo de corrupção e propina de máscaras atinge partido de Angela Merkel

Auxílio emergencial dado pelo Governo Bolsonaro impediu queda maior da economia em 2020

Com base nos resultados positivos, as empresas disseram nesta quarta-feira (10), que vão pedir imediatamente que as autoridades dos Estados Unidos e de outros países autorizem o uso do medicamento.

As empresas disseram que um comitê de monitoramento independente recomendou que o estudo fosse interrompido mais cedo, porque uma análise provisória de dados de 583 participantes mostrou que a droga, chamada VIR-7831, era altamente eficaz.

– Esperamos a oportunidade de tornar a VIR-7831 disponível para pacientes o mais rápido possível e de explorar ainda mais o seu potencial em outros cenários – disse o diretor científico e presidente de pesquisa e desenvolvimento da Glaxo, Hal Barron.

As empresas não divulgaram resultados detalhados do estudo, como a porcentagem de pacientes que foram hospitalizados ou morreram. Os voluntários do estudo ainda serão monitorados por 24 semanas, e mais dados vão ser publicados após a conclusão da pesquisa, segundo as empresas.

O estudo está avaliando pacientes com sintomas leves ou moderados de Covid-19 que apresentam alto risco de progredir para um quadro grave. Segundo as empresas, um outro estudo mostrou que o medicamento é eficaz contra as variantes do coronavírus identificadas no Reino Unido, na África do Sul e no Brasil, as quais os cientistas temem que possam ser resistentes a drogas de anticorpos monoclonais.

*Estadão

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();