China aumenta orçamento de defesa e se prepara para a guerra, diz jornal americano



A China está se preparando para a guerra e aumentou seu orçamento militar para 1,35 trilhão de yuans (cerca de US $ 207,8 bilhões) em 2021, 6,8% a mais do que em 2020, informou a mídia estatal chinesa.

Um especialista em assuntos da China, Tang Jingyuan, disse ao The Epoch Times que o Partido Comunista Chinês (PCC) tem como principal prioridade fortalecer suas forças armadas.

LEIA TAMBÉM: General manda recado ao Brasil: Cabe ao povo brasileiro exercer o direito legal e ir para as ruas, de forma ordeira, firme, resoluta, sem descanso e sem retrocessos

Após decisão de Fachin, general fala em "ruptura institucional"

Escândalo de corrupção e propina de máscaras atinge partido de Angela Merkel

Auxílio emergencial dado pelo Governo Bolsonaro impediu queda maior da economia em 2020

Durante a reunião anual mais importante do partido no poder, conhecida como as ‘duas sessões’, em 5 de março, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, disse: “[Devemos] fortalecer amplamente os exercícios militares e nos preparar totalmente para a guerra”.

“Construir um exército forte é uma das principais tarefas de Xi Jinping. Seu lema é construir uma ‘China forte’”, disse Jingyuan.

“Acho que Xi tomará uma atitude agressiva depois que puder assumir outro mandato em 2022”, acrescentou.

O jornal estatal chinês operado pela Xinhua, Cankao Xiaoxi, noticiou o orçamento militar da China em 6 de março, o que sugere que a China está se preparando para a guerra. A reportagem não citou nenhum número oficial, mas afirmou que os dados eram de dois meios de comunicação estrangeiros. Esta é uma maneira usada pelo regime do Partido Comunista Chinês para publicar informações que podem mudar no futuro ou que o PCC não deseja anunciar oficialmente.

Em 5 de março, o primeiro-ministro Li Keqiang disse que “a meta para a taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da China em 2021 não é inferior a 6%”.

O orçamento de defesa aumentará 6,8%, o que é 0,8% a mais do que o PIB estimado e coincide com os investimentos do regime chinês nos últimos anos.

O orçamento militar da China aumentou 6,6% em 2020, 7,5% em 2019, 8,1% em 2018, 6,94% em 2017 e 7,46% em 2016. Todos os números são superiores à taxa de crescimento do PIB no ano, de acordo com a mídia estatal 21st Century Business Herald.

As autoridades chinesas continuam a dizer que o desenvolvimento das Forças Armadas é para fins de defesa, razão pela qual se diz que a China se prepara para a guerra.

Em 28 de fevereiro, o Ministério da Defesa chinês postou uma pergunta em sua conta oficial do WeChat:

“A China continua a fortalecer sua força militar e mostrar seus músculos para o mundo. A China se torna cada vez mais agressiva quando tem disputas com países vizinhos. Isso significa que a China mudou sua política de defesa defensiva?”

Mais tarde, o Ministério da Defesa afirmou que a China não buscaria hegemonia ou expansão e acredita na defesa defensiva. No entanto, os militares chineses se tornaram mais agressivos no Estreito de Taiwan e no Mar do Sul da China. Lá eles realizam exercícios militares, que incluem navegar em um porta-aviões. Eles também costumam enviar aviões de guerra para entrar no espaço aéreo de Taiwan.

Em agosto de 2020, Pequim lançou mísseis balísticos no Mar da China Meridional para atingir porta-aviões estrangeiros imaginários.

“Sabe-se que o regime chinês deseja unificar Taiwan [com o continente]”, disse Tang Jingyuan, comentarista de assuntos da China baseado nos Estados Unidos. “É só uma questão de tempo”, acrescentou.

Tang acredita que Xi Jinping deseja que a China concorra com os Estados Unidos, razão pela qual ele estabeleceu o slogan político de seu governo como ‘China forte’.

Segundo Tang, o governo comunista chinês chama Taiwan de ‘Ilha do Tesouro’ e quer ocupar Taiwan, o que pode fortalecer o regime de Pequim.

De acordo com sua observação, Tang acredita que Xi Jinping planeja unificar Taiwan com o continente durante o mandato de Joe Biden.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();