Após socorro do governo Bolsonaro, Amazonas zera fila de UTI e cede leitos a outros estados



Após uma grande crise de saúde pública que chocou o país, o estado do Amazonas zerou o número de chamados de transferência de pacientes com Covid-19 para leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) na rede pública de Manaus. Pelo segundo dia consecutivo, o Boletim Epidemiológico da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) fechou sem registrar pedidos de transferências em aberto na capital. A situação ficou crítica ao ponto de que o governo federal necessitou intervir na situação.

O Boletim Epidemiológico da FVS-AM aponta que a taxa de ocupação de UTI na rede pública para Covid-19 é de 75,89%.

LEIA TAMBÉM: Após Bolsonaro tirar impostos federais do botijão de gás e diesel, governadores e DF aumentam impostos estaduais do diesel e gás de cozinha

URGENTE: Mulher dada como morta por Covid-19 se levanta do caixão em velório; VÍDEO.

PT, PC do B, REDE e PSOL votaram contra criação e aprovação do novo auxílio emergencial que irá socorrer milhões de famílias

Lockdown que mata: Feirante tira a vida em Salvador e cita governador e prefeito em carta, "NÃO ESTOU CONSEGUINDO PAGAR MINHAS DÍVIDAS POR CAUSA DO GOVERNADOR E PREFEITO DECRETARAM FECHAMENTO DE TUDO"

De acordo com a Secretaria de Saúde, no interior do estado havia sete pedidos de transferências de emergência. Mas a pasta não considera essa quantidade fila, já que há vagas e as remoções aguardam apenas melhorias nas condições de saúde dos pacientes e solução de questões logísticas.

Em nota divulgada nesta quarta-feira (24/3), o secretário executivo de Assistência da Capital, Jani Kenta Iwata, afirmou que a redução no número de chamados de transferência para UTI-Covid, na capital possibilitou a oferta de leitos para outros estados, por meio da Operação Gratidão.

“Nos últimos dias, estamos percebendo uma redução alta dos chamados para leito de UTI-Covid. E, nesta semana, temos zero chamados para UTI Covid em Manaus, e pouco mais de seis, sete casos no interior, o que, no geral, deixa o Amazonas com uma taxa de ocupação bem tranquila. Essa folga é que nos permite ofertar leitos para outros estados”, disse Jani Kenta Iwata.

Já o diretor-presidente da FVS-AM, Cristiano Fernandes, comentou que a redução da demanda por leitos de UTI-Covid na rede pública em Manaus é um dado importante, pois reflete a queda do número de casos de Covid-19 na capital. “É um dado importante trazido pela assistência, que mostra que a gente está em um cenário mais favorável, mas lembrando que a doença ainda não foi superada no estado”, ressaltou Cristiano.

O Governo do Amazonas ainda anunciou por meio da Operação Gratidão, que vai disponibilizar mais 24 leitos para pacientes Covid-19 no Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Delphina Aziz. “São 18 leitos clínicos e outros seis leitos de Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) para pacientes de Rondônia e do Acre. Ao todo, são 72 leitos. A iniciativa realizada pelo governo do estado em parceria com o governo federal, através do Ministério da Saúde, já transferiu para tratamento no Amazonas 27 pacientes”, diz a nota.

Além do recebimento de pacientes, o Amazonas tem dado assistência a outros estados com o envio de insumos. Foram enviados 200 cilindros de oxigênio para o Paraná, 70 concentradores de oxigênio para o Rio Grande do Norte e outros 50 concentradores para Rondônia.

Um comentário:

  1. Verdade, se todos o governadores usassem o dinheiro pra saúde a pandemia já teria acabado com certeza. Mas tudo bem , ano que vem vai ter eleições , aguardem vagabundos ipocritas.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();