Búzios aposta em diagnóstico precoce e zera internações



Segundo prefeito, pronto-atendimento e tratamento no início dos sintomas ajudou a reduzir número de casos graves na cidade

A cidade de Armação de Búzios (RJ), na região dos lagos, anunciou na semana passada que zerou o número de internações por covid-19 na cidade. Em entrevista ao R7, o prefeito Alexandre Martins (Republicanos) revelou que o segredo para reduzir drasticamente os casos moderados e graves da doença é fruto de um conjunto de ações, que incluem testagem e tratamento precoce.

“O segredo é fazer o teste rápido e tratar, além da fiscalização. Temos três tendas em que fazemos os atendimentos de pessoas com sintomas de gripe e já testamos e iniciamos o tratamento, conforme orientação do conselho de medicina, que não tem relação com cloroquina, evitando que evolua para um caso grave”, detalha o prefeito.

LEIA TAMBÉM: Relatora Magda Mofatto que pediu manutenção da prisão de Daniel Silveira tem 50 processos e teve seus direitos políticos cassados em 2019

NA PARAÍBA, A CADA R$ 100 DE GASOLINA, VOCÊ PAGA R$ 42,45 SOMENTE DE IMPOSTOS

Justiça atende pedido do PSOL e proíbe tratamento precoce contra covid-19 em Porto Alegre

No boletim da última quarta-feira (24), apenas oito casos haviam sido confirmados na cidade fluminense e não havia nenhum paciente internado com a doença.

De acordo com o secretário de Saúde, Dr. Marcelo Amaral, as tendas ajudam a reduzir o fluxo dos pacientes suspeitos pelas unidades de saúde e hospitais em busca de atendimento, evitando a contaminação cruzada.

“Quando você tem um paciente com síndrome gripal, a gente cria um fluxo separado. Então ele não precisa ir para o hospital, onde tem pessoas com outras doenças, e podem acabar infectadas”, afirma.

Com 40 mil habitantes, a cidade chega a multiplicar sua população durante os feriados e períodos de férias. No Carnaval, segundo Amaral, a população ultrapassou os 100 mil habitantes. Mas as ações conjuntas com as autoridades de segurança pública ajudaram a evitar a propagação da doença e diminuir o número de casos.

“Houve fechamento de estabelecimentos que não respeitaram os limites impostos pela prefeitura. A cidade também tem uma barreira que controla quem entra e quem sai, além de medir a temperatura. Ela acaba tendo um efeito quantitativo e moral importantes”, afirmou o secretário.


Medidas preventivas

A redução repentina dos casos de covid-19 na cidade não impede que a prefeitura continue o investimento nas ações preventivas.

O prefeito afirma que uma das tendas, do bairro da Rasa, próxima ao hospital Rodolpho Perissé, ganhou leitos e foi ampliada para funcionar como um hospital de campanha. Segundo o secretário, o atendimento nas tendas é feito em cinco etapas, dependendo do diagnóstico e do nível dos sintomas dos pacientes.

O chefe do executivo municipal diz acreditar que, apesar de a cidade ser pequena e receber um grande fluxo de turistas, esse modelo de atendimento pode ser adaptado a outras cidades do país, inclusive as mais populosas.

“Essas medidas nos mostraram que precisa segurar para não aumentar os casos. Estamos seguindo todas as orientações, uso de máscara e a fiscalização”, explica o prefeito. "A grande jogada é chegar no paciente no início dos sintomas”, conclui o secretário de Saúde.

3 comentários:

  1. Si a população respeitasse as leis do pais a covid já teria acabado mais do jeito q vai eu tenho dúvida disso??

    ResponderExcluir
  2. Não vão prender o GENOCIDA (MANDETTA) que aconselhava não procurar tratamento logo nos primeiros SINTOMAS.

    ResponderExcluir
  3. O tratamento precoce funciona sim só que os genocidas governadores bandidos,covardes,ladrões,estão ganhando muito dinheiro com as mortes do povo,o brasileiro passando fome e morrendo e eles roubando e fingindo estar protegendo vidas escondendo remédios que usados no inicio do tratamento poderiam salvar vidas,mas a hora desses assasinos vai chegar em breve,quando o povo acordar.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();