Após LOCKDOWN mais longo do mundo imposto pelo Presidente, Argentinos famintos fazem fila para receber sobras de padaria, 50% da população entrou na linha da pobreza



A pobreza na Argentina já atinge quase 50% da população

A Argentina está acostumada a crises econômicas recorrentes, mas a pandemia de Covid-19 agravou a recessão que o país sofre desde meados de 2018. 

O desemprego e a pobreza aumentaram expressivamente depois do presidente de esquerda manter o país no isolamento LOCKDOWN mais longo do mundo. A economia está em queda livre, com mais de 42 mil pequenas e médias empresas fechadas desde março.

LEIA TAMBÉM: Governo Bolsonaro antecipa pagamento do abono salarial do PIS/Pasep; veja as novas datas

STF julgará se queixa por injúria e difamação de ex-mulher de Lira irá à Vara de Violência Doméstica

Auxílio emergencial deve ser retomado para quem recebe ou está na fila do bolsa família, entenda

A jornalista Maria Laura Assis, que recentemente compartilhou imagens de um “centro de isolamento” forçado na cidade de Formosa, voltou a expor a grave situação do país vizinho. Nesta sexta-feira (5), Maria publicou no Twitter um vídeo que mostra cidadãos argentinos em filas para receberem sobras de uma padaria.

Todas as noites antes do fechamento do estabelecimento, os funcionários saem para distribuir o que sobrou de alimento.

– Antes eram 20 pessoas, agora temos 300, muitos são clientes daqui. Dizem que ficaram sem trabalho e vêm pedir para levar a família – conta uma das funcionárias ao jornal argentino El Siglo.

Na publicação, internautas relacionam o agravamento da crise às medidas de restrição e isolamento adotadas no país.

– Estar na Argentina significa ter muitas crises, com quedas e altas no consumo, quedas e altas na lucratividade, e é preciso ir lidando com tudo isso. Temos alma de empreendedores, mas isto agora é diferente, tudo fechou. Receita zero – disse o comerciante Federico Cillarroca.

O Produto Interno Bruto (PIB) da Argentina caiu 19,1% no segundo trimestre do ano, o maior colapso desde 1981.

De acordo com Observatório da Dívida Social da Universidade Católica Argentina (UCA), a pobreza na Argentina atingiu 44,2% da população no fim de 2020.

FONTE: PLENO.NEWS

2 comentários:

  1. Infelizmente escolheram errado e voltaram para o mesmo depois do desastroso mandato do presidente de direita. Preferiram a esquerda e agora estão sofrendo as consequências. Imagine se o Haddad tivesse ganho, como seria o Brasil hoje. Reflitam sobre isso

    ResponderExcluir
  2. É isso que Lula, Fernando Henrique Cardoso, e todos os esquerdopatas querem fazer no BRASIL. AQUI NÃO CANALHAS.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();