Secretaria de Saúde do Amazonas sabia que tinha quantidade insuficiente de oxigênio desde novembro



Documentos indicam que a Secretaria da Saúde do estado admitiu que os insumos seriam insuficientes diante do aumento de casos de Covid-19

A Secretaria de Saúde do Amazonas sabia, desde pelo menos o dia 23 de novembro, que a quantidade de oxigênio hospitalar disponível seria insuficiente para atender a explosão de pacientes da segunda onda da pandemia de Covid-19.

A informação consta de projeto básico, que foi elaborado pela própria pasta, para a última compra extra do insumo, realizada no fim do ano passado.De acordo com a White Martins, se o contrato tivesse previsto um pedido maior na oportunidade, a empresa teria conseguido atendê-lo.

O contrato original para a compra de oxigênio do sistema de Saúde é de 2016 e foi assinado com a White Martins -- principal fornecedora do Amazonas. O valor do acordo é de R$ 1,3 milhão, e prevê o atendimento de até dois mil pacientes respiratórios.

LEIA TAMBÉM: 

União repassou ao Amazonas quase R$ 9 bilhões em 2020, nunca o governo federal enviou tanto dinheiro quanto Bolsonaro enviou para o Amazonas

A secretaria ainda assinou, em 2018, antes da chegada da pandemia, dois aditivos, que somam 3,1% ao valor. O estado ainda tinha uma margem de 21,9% para adquirir insumos em 2020, sem a necessidade de abrir um novo processo de contratação. Essa cota, porém, foi toda utilizada em novembro, quando a pasta informou a inclusão "com urgência" do Hospital Geraldo da Rocha, em Manaus, na lista de unidades atendidas.

No projeto que prevê o aditivo, assinado em 23 de novembro, a secretaria da saúde admite que a alta de casos e o volume de oxigênio contratado não seria suficiente para atender a demanda.

"No Estado do Amazonas os casos de covid-19, no mês de setembro, vêm apresentando alta crescente de casos confirmados", diz o documento. "O percentual de 21,9152% disponível para aumento não atende as necessidades desta Secretaria, a alta crescente nos números de casos confirmados da covid-19 e o pronunciamento até a presente data da Diretora da FVS (Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas) quanto a uma possível 2ª onda da pandemia."

FONTE: IG.COM.BR

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();