URGENTE: ‘Efeito colateral da vacina chinesa pode ser pior que a Covid-19’, diz neurocirurgião


 Em entrevista ao programa Pânico, o médico Paulo Porto de Melo afirmou que ‘pessoas podem morrer’ com os efeitos provocados pelo imunizante

Em entrevista ao programa Pânico desta quarta-feira, 21, o neurocirurgião Paulo Porto de Melo falou sobre os riscos e efeitos colaterais da Coronavac, a vacina contra o novo coronavírus produzida pela empresa chinesa Sinovac em parceria com o Instituto Butantan. Nesta semana, o imunizante chinês se tornou alvo de polêmicas com o anúncio, realizado pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, de que estaria em curso uma negociação para a compra de 46 milhões de doses da vacina. Após uma grande repercussão do acordo, o governo federal optou por recuar na decisão nesta quarta-feira, 21.

Durante a conversa, o neurocirurgião opinou sobre a controvérsia. “Primeiro precisamos entender que o processo de construção da medicina se dá passo a passo. Não é possível imaginar que exista uma vacina pronta em outubro para uma doença alastrada em março ou abril. Segundo dados de um estudo desenvolvido na Universidade Stanford, na Califórnia, estima-se que a taxa de letalidade global da covid-19, incluindo o Brasil, é de 0,3% e que cerca de 10% da população mundial foi infectada pela doença. 

Sendo assim, ainda temos 90% das pessoas suscetíveis ao vírus. O índice de efeito colateral da vacina chinesa, por sua vez, é de 5,37%, ou seja, quando colocamos esses 5% de chances de efeito colateral sobre a porcentagem da população brasileira que ainda não foi infectada, com certeza, vai morrer gente.” 

Paulo Porto de Melo comparou o índice de efeito colateral da Coronavac ao da vacina contra a poliomielite. “O público pode pensar que 5,37% é uma taxa baixa, mas representa, por exemplo, cem vezes mais chances de efeitos colaterais do que a vacina contra a pólio, que tem uma taxa de 0,05%. Por isso, talvez a vacina contra covid-19 mate ou prejudique mais gente do que a própria evolução da doença. 

LEIA TAMBÉM: 

China fecha acordo com a Sueca AstraZeneca para fornecer vacina contra covid-19 para população chinesa

Nós, médicos brasileiros, sabemos tratar a doença. Temos tratamentos para as fases precoce, intermediária e avançada então, por que vamos correr para fechar a economia ou lançar vacinas sem, ao menos, entender suas complicações a longo prazo?”, questionou.

O médico repercutiu também o estudo brasileiro desenvolvido por grupos das Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e Universidade de São Paulo (USP), divulgado nesta semana, que comprova que o coronavírus é capaz de infectar células do tecido cerebral. “O vírus vai para o cérebro sim, mas não representa um grande terror. 

Até 1/3 dos pacientes infectados pela covid-19 terão sintomas neurológicos, sendo eles, por exemplo, dores de cabeça, alterações no olfato ou paladar, dores musculares, ou seja, sintomas totalmente reversíveis. No entanto, a possibilidade de alguns pacientes desenvolverem, por exemplo, um Acidente Vascular Cerebral (AVC), não é excluída. A gravidade do sintoma neurológico acompanha a gravidade do quadro de covid-19 e isso ressalta a importância do diagnóstico precoce”, concluiu.

Confira a entrevista com o neurocirurgião Paulo Porto de Melo





FONTE: JOVEMPAN.COM.BR

11 comentários:

  1. Não aceitamos essas falsas Vacinas e reunir um Tribunal Internacional contra a ChinaVirus e maldades pelo mundo.

    ResponderExcluir
  2. Essa vacina parece que tem mais influência política do que preocupação com a saúde do povo.
    Então, apliquem primeiro em todos os políticos, começando pelo Dória. Se eles não adoecerem funciona...se morrem, estamos livres da corrupção!

    ResponderExcluir
  3. Isso é a maior besteira toma a vacina quem quiser.

    ResponderExcluir
  4. O seus merdas, não quer tomar, não toma. Foda-se seus bostas. Quem dera est merda de doença infectasse somente os imbecis que propagagam estas asneiras. Bando de quadrúpedes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sintomas da doenca ja apresentou em vc...neurologico kkkkk

      Excluir
  5. Interessante, nos testes nada disso foi relatado, por que agora iria acontecer?! É repugnante a politicagem. Essa vacina foi aplicada aqui no RS, em uns a vacina é em outros o placebo, sem saber o que receberam e não tem nenhuma notícia que comprove o que foi dito por esse médico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem, sim!! Você NÃO se informa e acusa os outros, o Dr. Paulo Porto de mentiroso??? Foi o próprio Responsavel pela vacina quem informou isso. Ana Paula da Jovem Pan tb comentou a respeito dos 5,37% testados que apresentaram EFEITOS ADVERSOS!!!! Vai ler e pesquisar ANTES de comentar pra NÃO acusar outros de serem mentirosos!!! O médico quer ALERTAR!!! Mas se quer, vá tomar!

      Excluir
  6. Os médicos brasileiros estão prontos e preparados pra tratar e curar essa doença?! Agora eu pergunto, quanto por cento da população brasileira tem acesso à essas tais médicos em específico, incluindo a população desde à baixo da linha da pobreza? E dessa porcentagem que não tomar a vacina quantos irão e adoecer para transmitir à outros que acabaram morrendo? E as vacinas que também são criadas e produzidas pela mesma empresa chinesa em parceria com nosso Butantã devem ser descartadas após erradicarem com eficácia tantas doenças e salvar milhões de vidas no Brasil sem distinção de classe social ou qualquer outo tipo?!

    ResponderExcluir
  7. Todos os médicos sabem fazer o tratamento correto. Até pq a maioria dos médicos têm 3 ou 4 locais onde atendem. O médico do SUS é o mesmo q atende na clínica particular. Mas no SUS ele é OBRIGADO a seguir o protocolo da prefeitura ou do governo estadual. Se não seguir pode ser demitido e até processado. E a maioria desses protocolos manda dar só azitromicina e dipirona e orientar o paciente a só retornar se sentir falta de ar, daí já está na fase complicada, q precisa internar e até às vezes entubar. A população não tem a menor ideia do que os médicos são obrigados a aguentar calados

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();