Secretário da Saúde diz que a pandemia desacelerou após o uso da cloroquina


Élcio Franco disse que tem a "percepção" que devido ao tratamento precoce o Brasil está chegando ao recorde de curados da doença

O secretário-executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, afirmou nesta quinta-feira (9/7) que há evidências de que o uso da cloroquina em pacientes de covid-19 com sintomas leves contribuiu para a o decréscimo da evolução da curva epidêmica em alguns estados e cidades. Além disso, Franco que tem a “percepção” que devido ao tratamento precoce o Brasil está chegando ao recorde de curados da doença.

“Há evidências de que em algumas cidades e alguns estados aplicou-se o tratamento medicamentoso precoce e foi justamente o que contribuiu para a o decréscimo dessa curva, dessa evolução da curva epidêmica nesses estados”, afirmou em coletiva de imprensa. O uso da cloroquina no tratamento de pacientes de covid-19 com sintomas leves é recomendado pelo Ministério da Saúde desde 20 de maio.


Já o secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, Hélio Angotti Neto, afirmou que vários indícios sobre dos resultados do uso precoce da cloroquina têm sido enviados por gestores, pesquisadores e administradores de hospitais.

De acordo com Angotti, os indícios “estão divulgados em vários lugares na internet”, no entanto, ressaltou que não se pode afirmar de forma inequívoca que o uso específico da cloroquina reduziu o número de casos graves no país.
 
“O que nós temos em relação ao uso de tratamento precoce (da cloroquina) são vários indícios que têm sido enviados de serviços, gestores, pesquisadores e administradores de hospitais. Há indícios e eles têm falado acerca da redução da ocupação de leitos e isso tem chegado”, disse.

O secretário explicou que esses indícios ainda não se transformaram em publicações científicas e que precisam ser estudados. “O tempo para uma publicação científica, para se fazer um protocolo aprovado no comitê de ética em pesquisa, é um tempo um pouco maior. Mas relatórios administrativos de serviços hospitalares e planos de saúde têm chegado”, justificou.


Contraindicação

Na última quarta-feira (8/9), o coordenador do Centro de Contigência covid-19 de São Paulo, Paulo Menezes, reforçou que a Secretaria de de Saúde do estado contraindica o uso do medicamento em casos leves. “O Centro de Contigência e a Secretaria de Saúde do Estado têm sido muito claros em relação a isso. Nós temos notas técnicas, que contraindicam o uso de cloroquina em casos leves porque não há nenhuma evidência da eficácia desse medicamento e há risco de efeitos colaterais, que podem ser sérios”, disse.

Em maio, a Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI) desaconselhou a prescrição de cloroquina e hidroxicloroquina em pacientes leves de covid-19. Mesmo assim, no mesmo mês, o Ministério da Saúde incluiu os medicamentos no protocolo de tratamento de paciente com sintomas leves.

FONTE: correiobraziliense.com.br

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();