Guerrilheiros da Colômbia matam civis para reforçar isolamento

A Colômbia tem, até o momento, 165 mil casos de coronavírus confirmados e o registro de 5,8 mil mortes.

Em pelo menos 11 dos 32 estados da Colômbia, guerrilheiros impuseram regras como toque de recolher, lockdowns, restrições de movimentação de pessoas e veículos, limites de dia e horário para a abertura do comércio.

Em alguns dos estados, os grupos de paramilitares recorreram à violência para que as regras adotadas para tentar conter a proliferação do coronavírus fossem respeitadas.

A denúncia está presente em relatório publicado pela organização de direitos humanos Human Rights Watch (HRW).

No texto, a ONG cita guerrilhas como o Exército de Libertação Nacional (ELN) e as dissidências das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e das Forças de Autodefesa Gaitanista da Colômbia (AGC).

“Esse brutal controle social reflete as falhas históricas do Estado em estabelecer uma presença significativa em áreas remotas do país”, afirmou o diretor da HRW para as Américas, José Miguel Vivanco, destaca o jornal Gazeta do Povo.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();