Justiça federal suspende nomeação de militar Capitão do Exército para comando da Funai

Capitão reformado do Exército, José Magalhães Filho, tinha assumido a função em Campo Grande no dia 5 de fevereiro.

A Justiça Federal de Campo Grande suspendeu a nomeação do capitão reformado do Exército, José Magalhães, para o cargo de coordenador Regional da Funai (Fundação Nacional do Índio), em Campo Grande. Ele tinha assumido a função no dia 5 de fevereiro.

A ação popular contra o militar tinha sido apresentada pelo Conselho Terena da Capital, e foi aceita, em decisão liminar, pela juíza (federal) Janete Lima Miguel, da 2° Vara de Campo Grande. Na sentença, ela destaca que apesar das qualificações técnicas de Magalhães, a ocupação do cargo precisa de representação política e social das comunidades indígenas.


A magistrada destaca ainda o clima de “instabilidade” que surgiu após a nomeação de Magalhães, nas comunidades indígenas, e a importância de ações voltadas para saúde pública. “Urgente necessidade de implementação de medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus”, descreve.
LEIA TAMBÉM: 

O PRESIDENTE NÃO PODE: MAS GLOBO TEM ACESSO ANTECIPADO A RELATÓRIO DA POLÍCIA FEDERAL SOBRE CASO ADÉLIO

LEIA TAMBÉM: 

Lacombe sobre imprensa: “Omite o que é bom no governo, exagera o ruim”

Sobre a suspensão da sua posse, Magalhães disse à reportagem do Campo Grande News, que neste momento “não tem nada a declarar”, em relação a decisão da magistrada.

Protesto – Os representes das comunidades indígenas tinham usado termos como “racista”, “retrógano” e “preconceituoso” contra José Magalhães, depois de declarações do militar dizendo que era preciso “socializar o índio” e inclusive sugerindo o casamento de meninas (indígenas) com brancos.



O advogado Eloy Terena, assessor jurídico do Conselho do Povo Terena, disse que o discurso adotado por Magalhães era a reprodução do que foi implantado no período da ditadura militar. “É totalmente retrógrada, militarizada”.

Posse - Na sua posse, o militar precisou ser escoltado pela PF (Polícia Federal), segundo ele, conforme orientação de Brasília por questão de segurança. Em entrevista, declarou que a intenção da gestão dele é “integrar sem desintegrar” o índio, passando pela educação, por meio das escolas urbanas.

Fonte: campograndenews.com.br



3 comentários:

  1. Então a Justiça Federal atende ao "clamor" do povo? É esperar que ela "escute" também outros clamores que existem por aí e que ela parece não perceber!

    ResponderExcluir
  2. A justiça atual do Brasil so escuta e atende quem for esquerda comunista , porque que a ditadura hoje não não militar, e do STF, SENADO, CONGRESSO, GOVERNADORES E ETC...
    Estamos sim em uma ditadura aonde o GENERAL E O STF , depois não venha chorando falando que o Exército deu Golpe , pois vocês dos três poderes não aceitam a decisão democrática da urna aonde elegeu o presidente Jair Messias Bolsonaro , então deixa ela governar bando e safados .

    #FechadoComBolsonaro
    #GolpeDeEstado
    #ForaSTF

    ResponderExcluir
  3. Hummm
    Alguém de olho nas reservas indígenas, examinando certinho vemos a liderança de tribos se vendendo aos corruptos.

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();