Em três semanas, Itália tem mil mortes por coronavírus

País enfrenta quarentena geral.

A Itália passou nesta quinta-feira (12) a marca de mil mortes (foram 1.016 registradas) causadas pelo novo coronavírus, 189 a mais do que no dia anterior. Em três semanas, o país pulou de um paciente contaminado internamente para 15.113 pessoas contagiadas. Dessas, além dos óbitos, 7.803 estão internadas nas estruturas sanitárias de todo o país, 5.036 cumprem isolamento domiciliar e outras 1.258 foram curadas.

Com quase 9 mil casos, a Lombardia, no Norte do país, continua como a região mais afetada pelo vírus. As medidas para conter a circulação de pessoas, implantadas gradualmente a partir do dia 24 de fevereiro, quando todas as escolas da região foram fechadas, parecem ainda não ter tido efeito na escalada dos números.

É por isso que as restrições, semana a semana e, agora, dia a dia, têm se tornado mais duras. Desde quarta-feira, só serviços essenciais, como supermercados, farmácias e transporte público, podem funcionar. Todo o resto, inclusive a presença de pessoas nas ruas sem motivo de saúde ou trabalho, está proibido.



Ao anunciar a interrupção das atividades comerciais não essenciais na quarta, o primeiro-ministro Giuseppe Conte afirmou que os resultados serão visíveis nas próximas semanas.

– É importante estar ciente de que começamos há pouco a mudar os nossos hábitos. Só poderemos ver os efeitos desse nosso grande esforço em umas duas semanas – disse Conte.
Uma das primeiras cidades a entrar, ainda em fevereiro, em quarentena coletiva máxima, Codogno, a 60 quilômetros de Milão, está finalmente vendo a diminuição dos contágios.

Foi ali que, no dia 20 de fevereiro, foi confirmado que o vírus circulava sem controle pelo Norte da Itália. A notícia veio após o resultado positivo de um homem de 38 anos, maratonista, que, com sintomas graves respiratórios, ficou cerca de 36 horas internado em um hospital, em contato com parentes, amigos, pacientes e operadores de saúde.

Chamada de Wuhan italiana, a cidade de 16 mil habitantes foi colocada imediatamente em quarentena máxima, isolada por barreiras policiais. Os moradores foram submetidos a toque de recolher, e todos os estabelecimentos foram fechados, antecipando o que agora, três semanas depois, foi estendido a todo país.



A estratégia deu certo. Se antes os casos positivos cresciam exponencialmente, tendo causado quase 40 mortes, nesta semana os números de novos infectados voltaram a caber nos dedos das mãos (9 na segunda, 4 na terça).

– Estamos perto de crescimento zero. Esta emergência se combate de um só modo: é preciso uma mudança de mentalidade e comportamento. Se vence com a responsabilidade coletiva, todos são preocupados com a própria saúde e com a dos outros. Esta é a chave – diz o prefeito de Codogno, Francesco Passerini.

*Folhapress

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();