General Iraniano Suleimani articulou atentado que matou 85 em Buenos Aires e deixou mais de 300 feridos em 1994

Explosão em centro judaico na Argentina deixou 300 feridos em 1994.

O general Qassem Suleimani, assassinado pelos Estados Unidos na última quinta (2), esteve por trás dos atentados à Associação Mutual Israelita Argentina (Amia), em Buenos Aires, no dia 18 de julho de 1994.

O ato terrorista foi provocado por uma van carregada com 400 quilos de explosivos, deixando 85 mortos e 300 feridos. Esse foi o mais sangrento atentado da história argentina.


O envolvimento de Suleimani foi lembrado por políticos e jornais de Israel nesta sexta.
“Parabenizo o presidente Donald Trump e todo o Oriente Médio pela ação que matou Suleimani”, disse Yair Lapid, líder do partido de oposição israelense Azul e Branco.
“Ele planejou e liderou ataques terroristas mortais de Damasco a Buenos Aires e é responsável pelo assassinato de milhares de civis inocentes. Ele teve exatamente o que merecia”, completou.

A ordem para a ação partiu do aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, durante uma reunião realizada em agosto de 1993.

Coube a Suleimani organizar a ação ao longo dos 11 meses seguintes.


Ao todo, participaram doze extremistas com vínculos com o Hezbollah, grupo islâmico é um braço armado do governo iraniano no Líbano.

Fonte:veja.com.br

Um comentário:

  1. pelo que vejo, se acaso não é um golpe de marquerting já foi tarde esse general

    ResponderExcluir

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();