Militares no Rio usam máscara de caveira para proteger o rosto

Homens do Exército com máscaras que simulam o rosto de caveiras são vistos desde o início do cerco à favela do Rio de Janeiro. Comando militar manda militares pararem de usar.
Militares das Forças Armadas que participam do cerco à Rocinha, favela em São Conrado, na zona sul do Rio de Janeiro, foram orientados a retirar as balaclavas, espécie de touca ninja, com imagens de caveiras. Desde que os militares passaram a dar apoio às operações policiais na favela, na última sexta-feira, homens com farda das Forças Armadas têm sido vistos com máscaras ou toucas que simulam o rosto de caveiras.
De acordo com a assessoria de imprensa do Comando Militar do Leste (CML), que coordena o uso dos militares nas operações policiais, a balaclava é prevista no uniforme de combate, mas só são permitidas toucas nas cores preta ou azul. Qualquer outra cor, imagem ou inscrição não estão contempladas no uniforme. Segundo o CML, será apurado o uso indevido do uniforme militar e os responsáveis podem ser punidos.
 O rosto de caveira estampado em balaclavas é algo utilizado em zonas de guerra ao redor do mundo. O objetivo é, além de esconder a identidade do soldado, provocar medo no inimigo. A vestimenta foi popularizada no mundo dos videogames de guerra.
Manifestantes radicalizados também costumam fazer o uso das máscaras de caveira para esconder seus rostos em protestos violentos. Moradores relataram desconforto com o item. Toucas ninja são comumente utilizados por policiais em operações no Brasil.
No Rio, muitas vezes são usados por policiais por questões de segurança. Muitos agentes que combatem o tráfico são também moradores de áreas conflagradas. O uso é questionado por moradores e especialistas em segurança porque ele poderia dar margem para abusos policiais.
Moradores da Rocinha têm se queixado que policiais têm invadido casas sem mandado judicial e revirado armários e gavetas em busca de elos de moradores com traficantes foragidos da guerra que teve início no último dia 17 na favela.
Em meio à rotina de violência, as tropas das Forças Armadas distribuiram, nesta quarta-feira doces de São Cosme e Damião na comunidade.
A distribuição de doces às crianças é uma tradição no Rio. Segundo o CML, a iniciativa partiu da própria tropa que atua na Rocinha, sem ligação com o comando da operação.

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();