“Tenho todas as evidências contra Maduro”, diz ex-procuradora da Venezuela

Em entrevista ao site, Luisa Ortega diz que está preservando as provas contra o presidente da Venezuela para evitar que elas sejam destruídas.
Em fevereiro deste ano, a então procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, estava em Brasília tratando das informações constantes das delações da Odebrecht sobre governos da América Latina quando recebeu uma notícia estarrecedora — a sua filha e o seu neto haviam sido sequestrados. Apavorada, ela deixou às pressas a reunião na Procuradoria-Geral da República e voltou para o seu país. Poucos dias depois, a filha e o neto de Ortega Díaz foram libertados. 
A procuradora atribuiu o episódio a uma tentativa de intimidação nos trabalhos de investigação da corrupção envolvendo o governo do presidente venezuelano Nicolás Maduro. Depois de seis meses, Ortega Díaz retornou à capital do Brasil, onde participou na manhã desta quarta-feira da 22ª Reunião Especializada de Ministérios Públicos do Mercosul (REMPM) e de um encontro no Itamaraty com o chanceler Aloysio Nunes. Em entrevista exclusiva a VEJA, ela disse: “Tenho todas as evidências (contra Maduro) e estou compartilhando com alguns procuradores-gerais da região e de outros continentes (…), porque a Venezuela não é garantia de Justiça. Qualquer evidência que existe em Venezuela que comprometa o governo vai ser destruída. Em consequência, estou preservando essa evidência”. Veja o vídeo abaixo.

Para Ortega Díaz, a corrupção na Venezuela tem deixado o país num estado de penúria. “O tema de corrupção na Venezuela tem atraído como consequência os grandes males de que está padecendo a população porque o dinheiro que deveria ser destinado para os alimentos, para a saúde e medicamentos termina no bolso e no cofre de quem está no poder. É isso o que está acontecendo na Venezuela, lamentavelmente”, afirmou a VEJA a ex-procuradora-geral venezuelana.

Na semana passada, Ortega Díaz e seu marido, o deputado Germán Ferrer, mudaram-se para Bogotá, na Colômbia. O casal deixou a Venezuela alegando ser vítima de uma “perseguição sistemática” promovida pelo governo de Nicolás Maduro após a ex-procuradora iniciar uma investigação para apurar um esquema de propinas da Odebrecht na região. Em delações premiadas, executivos da empreiteira relataram pagamentos de quase 100 milhões de dólares em subornos. Nesta terça-feira, o procurador-geral da Colômbia, Fernando Carrillo, disse em coletiva de imprensa que Ortega Díaz tem documentos que comprovam a corrupção da construtora brasileira na Venezuela.
“É o maior caso de corrupção na região e isso os mantêm muito preocupados e angustiados porque eles sabem que temos informação e detalhes de todas as operações e valores”, disse Ortega Díaz numa teleconferência com procuradores e promotores da América Latina realizada na semana passada.

Fonte: Veja.abril.com..br

Nenhum comentário

'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();